sábado, dezembro 24, 2016

O falecimento do Iván Bojko

Com grande tristeza informamos sobre o falecimento, nesta noite, do senhor Iván Bojko, criador de banduras e herói do filme “Ivan” do realizador brasileiro Guto Pasko. O resistente ucraniano e membro da OUN, ele completaria 98 anos em junho de 2017...
Em 1942 Iván Boiko foi arrancado da Ucrânia e levado pelos nazis aos trabalhos forçados na Alemanha, onde permaneceu até 1945. Com o fim da II G.M. ele não quis regressar à Ucrânia porque os soviéticos dominaram o país, acusando de inimigos de povo e traidores todos os cidadãos da então União Soviética que estiveram trabalhando na Alemanha, mesmo que em circunstancias como as vividas por Iván Bojko. Se ele retornasse seria morto ou então se tivesse sorte, seria preso e enviado para o GULAG na Sibéria.
Iván Bojko veio ao Brasil em 1948; como refugiado de II G.M. e nunca mais voltou para Ucrânia. Por não ter documentos que comprovassem sua origem, viveu como apátrida no país até 5 de novembro de 1990, quando adquiriu a nacionalidade brasileira. Em 2010, ou seja, 78 anos depois, ele fez uma viagem de volta ao passado, em retorno à sua terra natal.
A sua esposa, Anna Bojko, tinha 90 quando faleceu em janeiro de 2013. Ela também era a imigrante ucraniana e refugiada de II G.M. Anna e Iván se conheceram na Alemanha e imigraram, já casados para o Brasil em 1948. Dona Anna Bojko participa do filme no seu início, numa cena de despedida entre os dois, na sua casa em Curitiba, antes de Iván viajar para Ucrânia.
Para retornar à Ucrânia, Iván viajou com um passaporte brasileiro. Em um dos seus depoimentos no documentário, Iván reconhece o valor de ter uma nacionalidade. “O Brasil é uma terra que me deu segurança para o resto de minha vida, inclusive me deram a cidadania brasileira. Hoje sou cidadão brasileiro e espero já naquela terra descansar definitivamente”.
Iván Bojko pertence à geração dos ucranianos que venceu: eles lutavam e morriam pela Ucrânia livre e independente e contra a Alemanha nazi e União Soviética. Hoje, ambos os impérios já não existem e Ucrânia caminha para a sua segunda independência, na luta contra o mesmo inimigo moscovita na luta contra qual se empenhou Iván na sua juventude.
As datas e horários do velório e do enterro serão anunciados oportunamente. Deixamos aqui a nossa mensagem de pesar à família de Iván Bojko no Brasil e na Ucrânia.   


Atenção! O velório acontecerá na Capela Vaticano, sala Diamante. Av. Desembargador Hugo Simas, 26 – Bom Retiro – Curitiba.
A partir das 07h00 da manhã.

1 comentário:

Anónimo disse...

Essa eh a rua no Google Maps do terrorista Caique Telles segundo o endereço fornecido pela pagina do Pacificador:

https://www.google.com.br/maps/@-3.1271996,-60.0354414,3a,75y,217.49h,56.5t/data=!3m6!1e1!3m4!1sQUbFh1zGOF7SB-tQp10wKA!2e0!7i13312!8i6656!6m1!1e1

Fica logo após a Ponte do São Raimundo. Saindo da ponte pra quem vem do Centro virando a primeira a direita. Trata-se de um bairro paupérrimo as margens do Igarapé do São Raimundo. Trata-se de área degrada com favelas e alta criminalidade. Recentemente o governo do estado vem revitalizando a área através do projeto conhecido como Prozamin. A região surgiu de invasões de terrenos as margens do Igarapé do São Raimundo. Igarapes são pequenos riachos que cortam a cidade. Nos anos 80 ficaram conhecidas em Manaus as famosas casas de Palafitas. Casas feitas sobre estacas de madeiras por cima das aguas dos Igarapes da cidade. Lugares extremamente pobres cujos banheiros eram apenas buracos feitos no chão. Os dejetos humanos iam parar nas aguas do rio. Uma amostra de como são as casas de palafitas:

https://abrilexame.files.wordpress.com/2016/09/size_960_16_9_photo-2634.jpg?quality=70&strip=all&w=680&h=453&crop=1

Vindo de um lugar assim me pergunto de onde ele conseguiu dinheiro para comprar passagens aéreas para Russia para depois entrar ilegalmente na Ucrania.