terça-feira, Setembro 02, 2014

Europa: 1939 – 2014: quase nada mudou

A estação dos caminhos-de-ferro de Lviv: 1 de setembro de 1939
No dia 1 de setembro de 1939, às 04h45 a Alemanha nazi atacou a Polónia, começando a II G.M. Neste mesmo dia a Luftwaffe bombardeou as cidades ucranianas de Lviv, Lutsk, Ternopil. Ucrânia se tornou o centro de luta entre os dois ditadores e dois regimes desumanos: comunismo soviético e nazismo alemão.

Lviv foi bombardeada às 11h30 de manha, em resultado morreram 83 moradores da cidade, cerca de 100 foram feridos. Inicialmente, as pessoas pensavam que decorriam os exercícios militares, só mais tarde o público soube das primeiras vítimas mortais.

As cidades ucranianas Striy e Drohobych já nas primeiras semanas da guerra foram ocupados pelos nazis. Mas após a entrada da URSS na guerra contra a Polónia, no dia 17 de setembro, a Alemanha nazi cedeu estes territórios ao controlo da União Soviética comunista.

É de recordar que a II G.M., começou quando Alemanha nazi e Eslováquia (as mesmas que hoje se recusam à apoiar a Ucrânia) atacaram a Polónia, em resposta, Grã-Bretanha e França declararam a guerra contra Alemanha. Deste modo, o conflito imediatamente se transformou em uma guerra mundial, recorda ZIK.ua

É difícil discordar do jornalista português Nuno Rogeiro:

Tudo isto é claro. Os paralelos são terríveis. A Rússia substituiu todos os «voluntários» no terreno por tropas regulares. Será fácil ocupar os aeroportos de Luhansk e Donetsk, se não foram já tomados.
E então virá a paz.
A paz do império-cemitério.
Claro que a história não acaba aí.
Como a história do Reich não acabou em 1939.

Ajudar financeiramente ao batalhão “Donbas”:
Cartão do PrivatBank: 4405885822253933
Pagamento com qualquer cartão bancário: http://goo.gl/rhVQ6h

segunda-feira, Setembro 01, 2014

Semen Semenchenko dirige-se aos ucranianos

O comandante do batalhão voluntário da auto-defesa Donbas, Semen Semenchenkono processo de convalescença após um ferimento sério e de muletas, fala ao povo da Ucrânia e mostra a sua cara (para já não iremos divulgar o nome real do comandante, dado que ele próprio optou por não fazer-lo).

O que é uma balaclava? Máscara atrás da qual pode estar cada um de nós: desde o soldado raso ao comandante do batalhão. Máscara não esconderá o principal – os nossos atos.

Qualquer patriota – com ou sem balaclava – pode empreender as ações diferentes: os importantes e os de rotina. A balaclava é um símbolo de tudo que é coletivo (por trás dela está qualquer um), mas em algum momento os acontecimentos exigem DE TODOS a responsabilidade, e na guerra, essa deve ser pessoal.

Eu não tenho o medo da minha responsabilidade pessoal. A minha família está em segurança, mas a minha família não é apenas a minha esposa e filhos, mas toda a Ucrânia.

Eu decidi tirar a máscara perante Ucrânia: está na hora de uma mudança – para mim, para o batalhão “Donbas”, para Ucrânia – para cada um de nós.
https://www.youtube.com/watch?v=5EEc2RTXreU

Obrigado à: http://www.szona.org

No dia 1 de setembro de 2014, recebendo das mãos do primeiro-ministro da Ucrânia, Arseniy Yatsenyuk e do ministro do Interior, Arsen Avakov, a Ordem Militar “Bohdan Khmelnitskiy” do 3º Grau, Semen Semenchenko retirou a sua balaclava habitual.

A condecoração foi devida à “coragem e mérito militar, demonstradas no decorrer da libertação das cidade Artemivsk, Popasna, Lisichansk”.

Ajudar financeiramente ao batalhão “Donbas”:
Cartão do PrivatBank: 4405885822253933
Pagamento com qualquer cartão bancário: http://goo.gl/rhVQ6h

Batalhão “Donbas” receberá os blindados

O batalhão voluntário “Donbas” receberá os reforços e terá os novos equipamentos militares, como os blindados, disse o conselheiro do ministro do Interior, Anton Herashenko.


“Acabei de falar com Semen Semenchenko e com o comandante da Guarda Nacional, Stepan Poltorak, foi tomada a decisão de completar o batalhão “Donbas” com os voluntários, bem como a transferência de equipamentos pesados, ​até os tanques”, – disse Herashenko, informa a televisão ucraniana TVI.ua

As histórias da guerra: Volodymyr Parasyuk

O nosso blogue já escreveu sobre Volodymyr Parasyuk (Lviv, 26 anos), conhecido na Maydan de Kyiv como o “centurião Volodymyr”, o homem que deu ultimato ao ex-presidente Yanukovych para que este abandone o poder (ler O homem que acabou com Yanukovych).
Volodymyr na Maydan
Muita coisa mudou desde então, a Ucrânia está, de momento, sob a ocupação russa e Volodymyr, tal como milhares de outros ucranianos defende o seu país no decorrer da Operação Anti-terrorista (OAT). Ele é voluntário de uma das companhias do batalhão Dnipro-1. Tudo razoavelmente bem, até a batalha de Ilovaisk, seguida do cerco das tropas ucranianas naquela localidade...

por: Borys Filatov (o vice-governador da província de Dnipropetrovsk)

Volodymyr Parasyuk – herói da Maydan e o símbolo da resistência (ucraniana) foi ferido pelo estilhaço na cabeça, sofrendo uma contusão.

Ele foi aprisionado por militares russos do exército regular. O entregaram aos chechenos. Que o tentaram humilhar. Arrancavam o crucifixo. Volodymyr não os deixou fazer isso. Disse que a mãe ofereceu. Depois os chechenos o devolveram aos para-quedistas russos. E estes o levaram à RÚSSIA! Lá ele foi interrogado pelo pessoal do GRU. QUE NEM PERCEBERAM QUEM ERA ELE!

Volodymyr enganou-os!

De seguida, Volodymyr, foi devolvido à Ucrânia e entregue aos (terroristas) da “rp de Donetsk”. Eles, também, não perceberam quem lhes calhou e entregaram aos nossos. Volodymyr está dormindo agora. Está tudo bem com ele.

... Já eu, prevejo o dia em que os seguidores do Kadyrov irão novamente arrancar os crucifixos aos russos...

Embora, parece que neles já não há os crucifixos à bastante tempo....

Bónus


Uma nova página com os nomes dos militares russos abatidos, presos, feridos e desaparecidos na Ucrânia (até hoje são 110 nomes com detalhes pessoais, fotos, páginas nas redes sociais): http://lostivan.ru

A morte no bestiário

Diferentemente da vida no bestiário (AQUI e AQUI), a morte entre os terroristas não difere muito da morte de outros seres humanos. Os terroristas também choram e também ficam tristes quando os seus comparsas caem, finalmente abatidos pelas forças ucranianas. O fotógrafo americano Jonathan Alpeyrie apresenta as fotografias raras do enterro separatista em Donetsk.

Os separatistas que lutam nas fileiras da organização terrorista “rp de Donetsk” não permitem filmar os seus enterros. No entanto, no dia 18 de agosto eles deixaram que o fotógrafo Jonathan Alpeyrie pudesse testemunhar uma das suas cerimónias fúnebres nos arredores de Donetsk. No entanto, como criaturas instáveis, em breve, os terroristas mudaram de ideias, secaram as suas lágrimas de crocodilo e prenderam o fotógrafo. Argumentando que não queriam mostrar as suas fuças ao mundo. Voltando ao hotel, o repórter conseguiu recuperar todas as imagens apagadas por exigência dos terroristas, tiradas especialmente para a CNN.

Ver as imagens (9 fotos):

Caça aos “agentes estrangeiros”

Tal como na URSS nos anos 1920-1950, a Rússia novamente está preocupadíssima com os “agentes estrangeiros”. A última vítima desta caça às bruxas foi a ONG “Mães de soldados de São Petersburgo” (Soldiers Mothers), oficialmente colocada pelo Ministério da Justiça da Rússia no registo das “organizações não comerciais – agentes estrangeiros”.


A decisão foi oficialmente publicada na página Web do Ministério, após receber o pedido formal da Procuradoria de São Petersburgo. É de recordar que em maio de 2014 o Conselho da Federação da Rússia votou favoravelmente o projeto-lei que prevê a colocação coersiva na lista dos “agentes estrangeiros” as organizações que não fizeram isso por vontade própria, mas que são considerados como os tais “agentes” pelo estado russo, escreve Colta.ru

domingo, Agosto 31, 2014

Moscovo protesta contra a guerra com Ucrânia

Guerra com Ucrânia é vergonha e crime
Os ativistas sociais, figuras públicas – escritores, músicos, saíram ao centro de Moscovo para os protestos singulares contra a agressão e ocupação russas da Ucrânia.

Um dos participantes é escritor, humorista e ativista social russo Viktor Shenderovich segurava nas mãos o cartaz «Guerra com Ucrânia é vergonha e crime». O músico russo Vasya Oblomov (recentemente colocado na lista negra dos opositores ao Kremlin e considerado nacional-traidor), tinha o cartaz «Make love not Novorossia».

Um dos organizadores do piquete, editor-chefe do Web-projeto EJ.ru, Aleksandr Ryklin disse que a realização deste evento, hoje, foi devido à deterioração da situação e a escalada do conflito na Ucrânia. “A Rússia começou uma agressão aberta, a Rússia está lutar contra Ucrânia, e isso não pode ser tolerado”, – explicou Ryklin, citado pela UNIAN.net
"Não à guerra com Ucrânia"
Outros participantes na ação seguravam os cartazes com as palavras de ordem: “Não à guerra com a Ucrânia fraterna”, “A ocupação da Ucrânia – uma traição da Rússia”, “Gente! O que se passa com vocês? Essa não é a vossa guerra! Mas os vossos filhos vão morrer!”

O blogueiro russo Andrey Poznyakov (alteravoce) escreveu: na rua Tverskaia havia 6 piquetes singulares, desde o Conselho municipal até a via Kamergersky, havia mais pessoas, eles se trocavam, informa Hromadske.tv

Polícia moscovita prende os ativistas

Em resultado, 5 ativistas foram detidos pela polícia por causa da sua participação nos piquetes singulares (únicos que pela legislação russa não necessitam de permissão da polícia): Mikhail Lashkevich, Artur Tulinov, Dmitry Fedorov, Irina Epifanovskaia e Ildar Dadin. Todos eles foram levados à esquadra de polícia na rua Tverskaia, noticia Ovdinfo.org Separadamente, polícia moscovita deteve o compositor Aleksandr Manotskov, também pela sua participação no piquete contra a guerra na Ucrânia, escreve Ovdinfo.org (no fim, os seis foram libertados sem abertura dos processos administrativos, já que os ativistas respeitaram integralmente as normas da legislação russa).


Já à noite, a polícia prendeu outros 6 ativistas que tentavam acender 2249 velas, em memória dos ucranianos que já perderam a vida na guerra. Em resultado, na praça Europa de Moscovo foram detidos: Grigory Tarasevich, Yuriy Chebotariov, Tatiana Lidskaia, Yevgeniya Vengerova, Dmitry Kartsev e Maria Esipchuk. Todos eles se encontram dentro dos autocarros de polícia nas imediações da estação-de-ferro “Kyivsky”, avança Ovdinfo.org

Como perder emprego, destruir a casa e a cidade por 15 dólares

A secreta ucraniana SBU deteve o morador da cidade de Kramatorsk de 25 anos que em março de 2014, pago, de propósito, pelos mercenários russos se dedicava ao bloqueio dos equipamentos militares da Forças Armadas da Ucrânia, perseguia e ameaçava os patriotas ucranianos e as suas famílias.

Além disso, à mando de um outro morador local, comparsa dos terroristas e ocupantes, o detido pessoalmente distribuía entre os moradores da cidade os materiais propagandistas anti-ucranianos – simbologia e panfletos da organização terrorista – a “rp de Donetsk”. O detido confessou que em março participou fisicamente no bloqueio das colunas militares ucranianas nos arredores da aldeia de Andriivka, no distrito de Sloviansk. Na sua própria explicação, por este “trabalhinho” de dois dias ele recebeu a “gratificação” monetária de 400 UAH (30 USD). E os nossos leitores ainda perguntam porque não temos planos de chegar ao “acordo pacífico” com os separatistas?

Fonte:

Cerco de Ilovaisk

Efetivamente, nos arredores de Ilovaisk as unidades das FAU e dos batalhões voluntários foram cercados pelas forças superiores do exército regular russo, em violação flagrante de todos os acordos e regras de conduta, possíveis e imaginários. Na Internet aparecem os números exagerados dos ucranianos mortos. Desinformação é difundida para desmoralizar, quer as tropas no terreno, quer os ucranianos que apoiam o seu país e as suas FA na Ucrânia e na Diáspora.

De certeza possível dizer apenas isso: mais de 100 militares dos diversos unidades das FAU e dos batalhões voluntários conseguiram romper o cerco e se juntar às unidades ucranianas. Uma parte dos voluntários feridos do batalhão “Donbas” estão em poder do 137º regimento da 32ª Divisão e da 9ª Brigada de blindados da Federação Russa. Eles receberam o tratamento médico, não estão sofrer os mãos-tratos. O seu comandante, “Semen Semenchenko” está fazer todos os esforços possíveis para libertar os seus rapazes, para mais informações poderão seguir o seu Facebook.
O comandante do batalhão "Dnipro-1" Yuriy Bereza (mais alto) já fora do cerco!
As fotos dos corpos dos mercenários e militares russos abatidos nos arredores de Ilovaisk pelo batalhão “Donbas”: Censor.net.ua

O nosso slogan – encontraremos todos!

Os ativistas ucranianos lançaram a base nacional de dados dos separatistas-terroristas. Todos os terroristas, os seus comparsas, patrocinadores, especialistas das RP, numa só página, escreve Bogdan Steiner.

O que fazer para ajudar:

É possível adicionar os terroristas na base de dados; é possível divulgar a página entre todos os interessados: as forças da lei e ordem; os agentes do real estate; etc. Enfim, nós precisamos todos eles, para que ninguém consiga escapar da Ucrânia, terra sagrada, à sangrar de momento, terra tão odiada por essa gentalha.

Endereço: www.metelyk.org

sábado, Agosto 30, 2014

As correntes vitórias ucranianas

Nas últimas 24 horas as forças ucranianas abateram 35 terroristas, destruíram 2 tanques, 3 blindados BTR, um sistema de mísseis “Uragan” e 6 sistemas “Grad”, informa o centro de imprensa da Operação anti-terrorista (OAT).

“Foi alvejada a coluna automóvel do inimigo (até 30 veículos) que se movia na direção de vila de Luhanske – cidade de Alchevsk. Além disso, foram destruídos dois veículos da coluna que se movia na direção ZuhresKhartsyzk”, se diz no comunicado.

Liquidado na Ucrânia

Na Ucrânia foi liquidado Nikolai Bushin, o vice-comandante do 4º pelotão da 4ª companhia da 31ª Brigada Aerotransportada especial da guarda (unidade militar № 73612), com o aquartelamento permanente na cidade de Ulianovsk (Rússia). A data estimada da sua morte é 26 de agosto de 2014. A informação sobre a morte foi confirmada ao TV Rain pela mãe do militar russo, escreve Censor.net.ua

Cerco de Ilovaisk

O ministro do Interior da Ucrânia, Arsen Avakov, informou que 28 militares ucranianos saíram do cerco nos arredores de Ilovaisk (região de Donetsk) e neste momento se dirigem para o posto mais próximo da Guarda Nacional da Ucrânia.

É para manter na mente, que neste momento o número das tropas russas à participarem na invasão da Ucrânia é avaliado em 10-15.000 soldados e oficiais, segundo os dados do Comité dos mães de soldados, uma ONG russa, informa Censor.net.ua

A culpa morre ucraniana...
O terrorista abatido...
Ilnur Kulchinbayev, um para-quedista russo de origem oriental foi abatido na Ucrânia, onde estive para matar os ucranianos (cache web do seu perfil na rede social VK). O seu filho, todo revoltadíssimo, escreveu: “ucranianos canalhas criaturas que todos eles morrem”. O menino não pergunta e não há ninguém que lhe ajuda na formulação de uma pergunta simples: qual foi o motivo pelo qual o seu pai foi morto na Ucrânia?.. (FONTE).

Os mercenários chechenos na Ucrânia (no vídeo do link em baixo, em Ilovaisk, nas fotos +18, em Yenakievo):

https://www.youtube.com/watch?v=bhv2vRvtlwg