domingo, julho 22, 2018

A vida quotidiana dos homens na União Soviética (21 foto)

Os homens na URSS eram tudo menos independentes, confiando quase todos os aspetos da sua vida aos cuidados do Estado soviético, em troca, trabalhando toda a sua vida, em alguma fábrica, kolkhoz ou escritório, recebendo um salário de miséria. O cinema soviético mostra perfeitamente este tique do homo sovieticus através de um discurso naїve, que nunca levanta qualquer questão política ou social realmente cortante.

Coisas inerentes aos homens na/da URSS:

1. Trabalho verdadeiramente duro
Em contraste com atualidade, na URSS, com o seu culto da indústria pesada e da falta de linhas automatizadas, uma grande parte dos homens foi forçada a trabalhar no duro em diversos tipos de produção, muitas vezes muito prejudiciais à saúde: nos altos-fornos, junto às substâncias químicas ou nas minas não adaptadas para este fim. Na União Soviética muitas vezes não existiam, ou não eram seguidas as normas de proteção ao trabalho.
Hoje, com o desenvolvimento tecnológico e do empreendedorismo privado, os homens não precisam de trabalhar nas indústrias pesadas e prejudiciais, é possível trabalhar na Internet, criar o seu próprio negócio e decidir de forma independente o ritmo do seu trabalho.

2. Alcoolismo comum
Na União Soviética bebiam todos e bastante, se um homem não bebia um copo de vodca numa festa – era considerado como “anormal”, e posteriormente poderia ser vítima de ostracismo social: não era convidado para a pesca no fim-de-semana, não lhe contavam as anedotas e geralmente o tentavam à evitar. Não beber era possível apenas no caso de “doença”, neste caso o cidadão até era tratado com simpatia – “é, pá, o gajo não sabe o que perde”, diziam todos os outros.
[Muito possivelmente, esta postura tinha na URSS a sua própria lógica e razão. Quem não bebia socialmente numa companhia, possivelmente era um sexot, delator dos serviços especiais, desde o ministério do interior ao KGB (ou no mínimo uma pessoa fechada, não dada ao “coletivo”). Naturalmente, ninguém gostaria de beber (e se abrir, bebendo) na sua companhia. Já quem bebia, claramente pertencia ao coletivo. Este homem também iria se rir e contar as piadas “políticas” e como tal, no fim, muito possivelmente não denunciaria ninguém em particular (isso é, se realmente era um delator), pois estaria ele próprio no grupo dos culpados].
Na União Soviética não existia nem a cultura de consumo de bebidas alcoólicas, e mesmo um bom vinho de mesa era uma raridade cara. Por isso os homens soviéticos bebiam principalmente a vodca de má qualidade ou qualquer outra zurrapa. Nas fábricas e locais de construção civil, especialmente nas épocas das diversas “leis secas” soviéticas, se bebia qualquer coisa química que ardesse: desde álcool até a cola BF (feita na base do fenol e muito apreciada nas cadeias soviéticas).

3. Tabagismo total
Leonid Brejnev, o Secretário-geral do PCUS e chefe do estado soviético entre
8 de abril de 1966 — 10 de novembro de 1982
Na URSS fumava a maioria absoluta dos homens – cerca de 70 à 80%, se não mais. Não fumavam apenas os desportistas (e mesmo assim, apenas durante a sua carreira desportiva) e algumas poucos indivíduos, que entendiam os danos do tabagismo. Fumavam em todos os lugares – em casas, cafés, corredores e unidades fabris, nas ruas e nos parques. Fumavam até mesmo nos aviões – o informe luminoso “não fumar” ficou nos aparelhos desde aquela época.
Entre crianças e jovens, o tabagismo era considerado um sinal “cool” e sinónimo da idade adulta. Os jovens começavam à fumar aos 13-15 anos, ainda na escola, tentando copiar os estudantes mais velhos do secundário. E, mais frequentemente, fumavam por causa de fome, em vez de comer, no intervalo de lanche e nas pausas para o almoço – o tabagismo diminuía a fome.

4. Hobbies inúteis
A coleção dos maços de cigarros produzidos e/ou vendidos na URSS | forum.guns.ru
Na União Soviética cidadão não podia fazer negócios, não podia participar na política, no comércio, praticamente não podia viajar ao estrangeiro, era muito difícil conseguir construir a sua própria casa [coisa permitida apenas nas zonas rurais], não era possível ler os livros da sua própria escolha e havia poucas razões para se desenvolver (uma vez que este conhecimento não podia ser posto em prática em termos de melhorar a sua própria vida) – por causa disso tudo os homens na União Soviética tinham um monte de hobbies e passatempos inúteis que preenchiam o seu tempo livre.
Peixões porta-velas e peixinhos-copos, objeto do desejo na década de 1970-80
Aqui podemos incluir pesca e caça [embora parcialmente], filatelia, criação de coleções de calendários e coisas parecidas – atividades que em nada ajudavam ao desenvolvimento intelectual, não traziam qualquer rendimento adicional, e os benefícios relativos de saúde (passeios na natureza, enquanto se caçava ou pescava) eram anulados pelo consumo excessivo de álcool no decorrer destas mesmas campanhas.
A coleção dos modelos de viaturas produzidas na URSS | almetevsk.buyreklama.ru
Hoje os homens no seu tempo livre praticam coisas muito mais interessantes – aprendem línguas estrangeiras, tecnologia, lêem livros sobre os negócios, etc. Nas férias também existem atividades mais interessantes e úteis: como ciclismo, turismo ao exterior, turismo industrial ou airsoft, entre outras.

5. O culto do exército soviético
Na URSS existia o verdadeiro culto do exército soviético, expresso numa só frase: “não serviu no exército – não és um homem!” [embora como alternativa, um “verdadeiro homem soviético” poderia cumprir um termo prisional]. Na URSS todo e qualquer cidadão de género/gênero masculino deveria cumprir o SMO durante 2 (na marinha durante 3) anos (e até o final dos anos 1960 – 3 e 4 respetivamente). No exército os jovens soviéticos faziam de tudo, desde trabalhar, de graça, na safra nos kolkhozes até praticarem e serem vítimas de bulling. A propaganda soviética indoutrinava: “URSS possui um exército verdadeiramente popular, enquanto os marditos capitalistas usam os mercenários”.
O culto do exército é constantemente alimentado e propalado pelos meios de comunicação soviéticos – contando o quão é cool/legal servir no exército, que os oficiais são muitíssimo protetores e muito cuidadosos para com os seus soldados e até como é saborosa a comida no exército soviético e as moças esperam durante dois anos pelos recrutas voltarem do Exército, escreveu-lhes as cartas e dizendo que se ele for um mau soldado – então ela nunca se casará com ele.
Na realidade o serviço militar soviético era um desperdício de 2 anos da sua vida, num ambiente que não era nada propício para o desenvolvimento mental.

6. Pobreza
A maioria dos homens soviéticos (quer os chefes de família, quer os solteiros) era pobre. O salário médio na URSS era de cerca de 140 rublos (237 dólares ao câmbio oficial soviético), e quase todo esse dinheiro ia para os alimentos e pequenas compras. Para a compra de móveis o dinheiro era poupada durante anos, as vezes décadas, a compra de uma viatura era a questão de 10 à 15 anos (lista de espera + acumulação de dinheiro), e mesmo os sapatos / roupa nova não eram comprados com muita frequência.
Na URSS era impossível mudar essa situação, era impossível influenciá-la de qualquer forma. Mesmo se um operário fazer algum tipo de trabalho extra no seu tempo livre – em vez de ganhar 140 rublos, irá ganhar 180 – o que não afetará o seu bem-estar de uma forma global.
Hoje em dia, qualquer homem pode organizar o seu próprio negócio ou algum tipo de projeto próprio – e ganhar tanto, quanto permitir a sua criatividade e as habilidades, praticamente sem restrições.

7. Falta de hábito de cuidar da sua aparência
Estamos falar do desporto, jogging, fitness e de uma aparência elegante. Se na escola e no ensino médio e superior os homens ainda eram forçados à se envolver em educação física, então após entrar no emprego, raramente faziam algum desporto ou mesmo os exercícios físicos para manter a sua figura e a saúde. Com raras exceções, faziam algum tipo de “exercício matinal” de três saltinhos e dois bate-palminhas, que, em geral, não melhorava nem a saúde, nem a aparência.
Aos 40-45 o homem soviético adquiria a aparência canónica acabada – ou uma figura magra com mãos-macarrão, ou uma constituição inchada com uma barriga de cerveja. Essa forma era conservada por cerca de 20 anos, após disso acontecia um rápido afrouxamento e curvatura das costas. Na URSS não havia cultura de academias, práticas do desporto, apenas um pequeno número de entusiastas fazia o verdadeiro treino diário.
Hoje muitos homens entendem a importância de praticar desporto e manter boa forma física e saúde até à velhice.

8. Ausência de possibilidade de influenciar o seu futuro
Na URSS não existia o sistema real de eleições [o sistema soviético apresentava aos eleitores um único candidato aprovado pelos estruturas do PCUS, o chamado sistema de “eleições sem alternativa”] e o domínio do governo soviético e do partido comunista estava fixado no 6º artigo da “constituição” – aqui está o único e verdadeiro caminho para o futuro das “amanhas cantantes” e temos o seguir, todos os que não concordam – são inimigos. Na URSS não existia nenhuma liberdade política, e todas as relações entre o governo e o povo consistiam no facto de o governo ler ao povo os decretos e leis, de como este mesmo povo deveria viver.
Desde a queda do comunismo em 1991, na maior parte do espaço pós-soviético é possível criar partidos, movimentos políticos, concorrer aos cargos públicos e tentar mudar o seu país na direção política e social que lhe parece mais adequada. É verdade que na Rússia, em Belarus, na Arménia [até mais recentemente] e ainda esporadicamente na Ucrânia, as autoridades estão dificultando esse movimento “de base” – mas essa é uma história completamente diferente.

Fotos: GettyImages | Internet | grupo Trivia | Texto: Maxim Mirovich e [Ucrânia em África].

2 comentários:

Josué Ritter disse...

Oiii, pelo o que eu vi seu texto não cita fontes, por favor, tem a capacidade de me enviar as fontes do texto?

Jest nas Wielu disse...

Estimado, Josué Ritter,
uma parte do texto nem sequer pode ter as fontes, dado que são reflexões das pessoas que nasceram e cresceram na URSS, no entanto, as estatísticas sobre tabagismo, alcoolismo, suicídios na URSS existem, parcialmente podem ser vistos aqui: http://ucrania-mozambique.blogspot.com/2011/10/urss-que-humanidade-perdeu.html