segunda-feira, novembro 28, 2016

A propaganda militar finlandesa da Guerra de Inverno (Talvisota)

Politruk é pior que o inimigo. Ele te atira nas costas!
77 anos atrás, em 30 de novembro de 1939, três meses após o início da II G.M. a URSS atacou Finlândia, agressão militar que durou até 12 de março de 1940 e é conhecida na história como Talvisota, a Guerra de Inverno.
Politruk é herói da União [Soviética] e você de barriga vazia. 
A União Soviética cobriu o país vizinho com os cadáveres de seus militares e com muitas dificuldades conseguiu ocupar uma parte do território finlandês, expulsa, à conta disso, da Liga das Nações. Os finlandeses sobreviveram ao ataque bolchevique, mostrando que sabem combater e conseguem repelir o agressor. O número de mortos do Exército Vermelho durante a guerra soviético-finlandesa, de acordo com várias estimativas variam entre 130 à 170 mil pessoas, os finlandeses perderam 26.662 militares e cerca de 1000 civis.
Apanhaste politruk – então o leve ao galho.
Hoje falaremos sobre o esforço das RP e da propaganda militar finlandesa, produzida em larga escala em língua russa e dirigida aos militares do exército soviético. O principal foco da propaganda era o politruk (comissário político), a figura realmente odiada pela maioria dos soldados e oficiais do RKKA. Além disso, os cartazes e panfletos finlandeses exortavam os militares soviéticos se entregar, juntamente com as suas armas ou equipamentos militares, prometendo pagar até 10.000 rublos por cada blindado entregue.   
Por exemplo, Nikolay Nikulin, o historiador soviético e russo de arte, professor, o membro correspondente da Academia Russa de Artes, um dos principais pesquisadores e membro do Conselho Académico do Hermitage, no seu livro Memórias da guerra recorda a Talvisota com a constante sensação de fome e desejo permanente de comer, e o ódio contra os comandantes e comissários, que comiam do bem e do melhor, permaneciam nas instalações seguras, onde até arranjavam as companhias de PPZh (“as esposas da campanha militar”).
Nikolay Nikulin "As memórias da guerra"
As perdas das partes
Os politruks vós atiram até a morte, mas vocês lhes respondam: "More você, seu cão"
A correlação das perdas entre Finlândia e URSS era de 1:7,5; respectivamente. Finlândia perdeu 26.662 militares, 43.557 foram feridos e 1000 capturados em combate. Além disso, em resultado dos bombardeamentos soviéticos morreram 956 e foram feridos 1840 civis.
"SE ENTREGUEM em pequenos grupos!"
"Fora com essa guerra louca. Exijam a paz".
O Corpo de voluntários da Suécia teve 33 mortos e 185 feridos, entre eles 140 vítimas de congelamento. Morreram também dois pilotos dinamarqueses do grupo de caças LLV-24 e um italiano, que pertencia ao LLV-26.

As perdas soviéticas
De acordo com as listas de nomes elaborada em 1949-1951 pela Direcção-geral do Pessoal do Ministério da Defesa da URSS e pelo Estado-maior General do Exército, as perdas do Exército Vermelho na Talvisota foram as seguintes: as perdas não recuperáveis (mortos em combate e vítimas dos ferimentos; desaparecidos em combate): 126.875 militares; 264.908 “perdas sanitárias”, destes, cerca de 20% das vítimas de congelamento.

Ver o filme “Talvisota” (71´40´´) no YouTube (legendas em inglês):

1 comentário:

Anónimo disse...

Os finlandeses na Talvisota: bravos e vitoriosos!