domingo, fevereiro 03, 2019

Anti-semitismo na Europa: Ucrânia é uma das nações mais amigáveis aos judeus

Em vívido contraste com a infame narrativa russa, a Ucrânia é a nação mais amigável aos judeus na Europa Oriental e Central, de acordo com o Pew Research Center (EUA), escreve Ukrainian Jewish Encounter.org

Apenas 5% dos ucranianos não gostariam de ter judeus como seus concidadãos. Este é o nível mais baixo observado em todos os países da Europa Oriental e Central, conforme revelado em um relatório divulgado em 28 de março de 2018 sobre os resultados de uma pesquisa realizada pelo Pew Research Center (EUA).

A lista de outros países que são mais amigáveis aos judeus também inclui a Bulgária, Sérvia, Bósnia e Herzegovina, Croácia e Letónia. Apenas entre 7% à 9% dos adultos nesses países não aceitam os judeus como concidadãos.

Do outro lado do espectro, nos países da Europa Oriental e Central os que são mais hostis aos judeus são a Roménia (22%), a Lituânia (23%) e a Arménia (32%). Na Hungria e na Rússia, este valor é de 14%, na Polónia – 18% e na República Checa – 19%.
Consultar o estudo completo
Consultar o estudo completo: “Religious Belief and National Belonging in Central and Eastern Europe. National and religious identities converge in a region once dominated by atheist regimes”: ler em inglês

Bónus
Dmitri Shulman na entrada da Embaixada da Ucrânia em Israel
A bandeira da Ucrânia, na foto em cima, foi fabricada pelo mestre chocolateiro Dmitri Shulman da kibbutz israelita Dafna. Ele e os seus companheiros possuem a fábrica de chocolate, museu de chocolate, café com saborosos bolos e doces. A bandeira foi criada após o início da atual guerra russo-ucraniana para ser vendida no leilão no Centro cultural ucraniano em Bat Yam. A bandeira foi vendida e os fundos usados para apoiar os militares ucranianos, que defendem a soberania e independência do país no leste da Ucrânia (fonte).
Blogueiro: a atual guerra russo-ucraniana realmente é uma chance ímpar de acabar de vez com qualquer anti-semitismo e qualquer sentimento hostil entre judeus e ucranianos. A guerra possui essa vertente maravilhosa de chegar até às raízes mais profundos e revelar quem é a boa pessoa e amigo da Ucrânia e quem é filho do capeta e não presta. Independente da sua etnicidade, origem, ideologia política ou mais que diversos gostos quotidianos. Essa é única forma de deixar as feridas do passado para trás e caminhar para o futuro. Futuro, onde as duas nações têm muita coisa à ganhar, partilhando os interesses comuns.

1 comentário:

Jest nas Wielu disse...

Estimado Alberth,
trabalhamos com números e dados objetivos, se você tem dados fiáveis diferentes, pode apresenta-los, se não tem é porque o estudo é bastante fidedigno: ucranianos respeitam e tratem bem os judeus, basta ver a estatística do Yad Vashem dos Justos entre as Nações, Ucrânia é a 4ª nação do mundo no número dos justos: https://www.yadvashem.org/righteous/statistics.html