segunda-feira, outubro 09, 2017

A prostituição estatal soviética. Caso “Torgsin”

A historiadora russa Elena Osokina descreve no seu livroOuro para a Industrialização. TORGSIN” (sem a tradução portuguesa), a maneira como o Estado soviético da época estalinista usava o sistema da prostituição estatal, para ganhar as divisas.
O camarada italiano Kohli, o marinheiro-comunista, escrevia em janeiro de 1933: “A prostituição – em cada porto soviético. A casa oficial de prostitutas é Torgsin. O marinheiro estrangeiro não paga em dinheiro, mas em géneros. Por um quilograma de açúcar, que custa poucos copeques de ouro (de 8 a 20 copeque de ouro ou 0,16-0,40 dólares), o marinheiro passa uma noite com uma mulher. Outro dia eu fui ao Torgsin. Havia prostitutas bêbadas, que dançavam sobre as mesas. A nossa administração portuária fascista usa esses fatos para os atacar o sistema soviético”.
Supermercado do Torgsin em Moscovo, 1931 foto @Wikipédia
Uma descrição da casa de tolerância soviética na cidade de Kherson (sul da Ucrânia) deixada pelos marinheiros gregos: “Primeiro você entra na loja, e depois – a porta ao corredor. No corredor há portas aos quartos: de primeira classe – para as oficiais, secundárias – para as tripulações. Pagamento de uma prostituta é feito em açúcar. Por noite a prostituta ganha 15-20 rublos soviéticos” [cerca de 2,54-3,38 dólares].
Publicidade trilíngue (russo, inglês e alemão) de Torgsin, 1933 imagem @Wikipédia
A organização que mais alto protestou contra a prostituição estatal soviética foi a União Internacional dos Marinheiros e Trabalhadores Portuários (1930-1937), de inspiração trotskista. Por exemplo, o marinheiro-trotskista americano Jones escrevia indignado: “Camaradas, eu acho que isso é ultrajante! Talvez o plano quinquenal até mesmo necessita das divizas. Mas Torgsin não possui nenhum cartão postal socialista!”
Publicidade de Torgsin num jornal parisiense de língua russa "Ao vokante",
ecrito em gramática "czarista", pré-1917 (!), 1933 imagem @Wikipédia
A prostituição estatal no bordéis portuários foi fechada no início de 1936 – simultaneamente com o fim de Torgsin. No entanto, por mais 3 anos, persistiram as práticas da prostituição estatal soviética através do serviço dos ship chandler soviéticos (toda atividade decorria dento dos navios). Com o início da II Guerra Mundial, no final de 1939, a prostituição estatal soviética foi oficialmente abolida.

Ler o livro em russo (PDF, 312 páginas).

Sem comentários: