sexta-feira, fevereiro 10, 2017

17 líderes terroristas liquidados na Ucrânia em 2,5 anos

Em 2,5 anos da guerra russo-ucraniana, na Donbas e na Rússia, foram liquidados ou morreram em circunstância não esclarecidas 17 chefes, pertencentes às organizações terroristas “dnr” e “lnr”. O número, equiparado às melhores práticas da Mossad.

Pelos cálculos da página ucraniana Censor.net, confirmados pelos dados dos meios de comunicação social e das redes sociais, devido às mais variadas razões, na Donbas e na Rússia, foram liquidados ou morreram em circunstâncias misteriosos os diversos líderes de organizações terroristas & “repúblicas populares” (pró)russas, entre eles: 

1 ex-líder da “república popular de Luhansk”
1 ex-“primeiro-ministro”
1 ministro
1 primeiro vice-chefe do 2º “corpo do exército”
3 comandantes de “brigadas”
2 vice-comandantes de “brigadas”
1 comandante do “regimento”
3 comandantes de “batalhões”, entre eles dois “heróis da dnr”
3 comandantes militares de cidades
1 financista da “dnr”

É de recordar que após a liquidação do terrorista Mikhail Givi Tolstykh, explodido / queimado no dia 8 de fevereiro no seu escritório em Makiivka ocupada, o vice-chefe do “comando operacional da dnr”, Eduard Basurin declarou: Nós não excluímos o envolvimento neste ato do assessor do Ministro do Interior da Ucrânia, Zoryan Shkiryak(fonte).

“Givi” e os comparsas

A página ucraniana Gordonua completou a lista dos líderes terroristas mais famosos, liquidados ou mortos na Donbas desde 1 de janeiro de 2015.

1. Aleksey “Batman” Bednov, o chefe do bando “Batman”, liquidado em 1 de janeiro de 2015 nos arredores de Lutugino.
A coluna de viaturas de “Batman” foi alvejada com armas ligeiras, morteiros e lança-chamas. Juntamente com o líder morreram cinco terroristas do seu bando. A responsabilidade foi reclamada pela liderança da “lnr”, que acusou Bednov de raptos de pessoas e de atos de bandidagem. Dois dias antes, a “procuradoria da lnr” abriu um processo-crime contra ele, e a “polícia da lnr” informou que Bednov se recusou depor as armas e ofereceu a resistência.

2. Yevgeniy Ishenko “Malysh” (Puto), cidadão russo e “chefe popular” da cidade de Pervomaisk, abatido em 23 de janeiro de 2015 em Pervomaisk.
Juntamente com outros três cidadãos russos, o chefe dos “cossacos”, Ishenko foi metralhado pelos desconhecidos. A liderança da dita “lnr” acusou as forças ucranianas, embora Ishenko criticava constantemente e violentamente o líder da “lnr” Plotnitsky, com quem teve os conflitos constantes, devido as lutas pelo controlo efetivo da região ocupada de Luhansk.

3. Roman “Cigano” Voznik, o chefe do bando “Mirazh”, abatido em 26 de março de 2015 em Donetsk.
A sua viatura foi metralhada pelos desconhecidos no centro de Donetsk. Ex-membro do destacamento da polícia de choque “Berkut”, o “Cigano”, desde início apoiou a invasão russa. Participou em combates contra as forças ucranianas, depois se tornou o membro do “parlamento da novaróssia”. A liderança da “dnr” acusou na morte do “Cigano” as forças especiais da Ucrânia na alegada tentativa de “destabilizar a república”. 

4. Alexey Mozgovoy, o chefe do bando “Prizrak”, abatido em 23 de maio de 2015 no interior da província de Luhansk.
A coluna das viaturas do Mozgovoy foi alvejada pelos explosivos e metralhada com as armas automáticas. Além do Mozgovoy, morreram dois guarda-costas, condutor e a secretária de imprensa, foram também mortos dois moradores locais, que se tornaram as testemunhas indesejáveis do sucedido.

Mozgovoy foi um dos mais importantes e respeitados líderes terroristas na região de Luhansk. Se entrincheirando na cidade de Alchevsk, ele não reconhecia a autoridade da “lnr”. No início de março de 2015 ele tinha sobrevivido um atentado, do qual saiu ligeiramente ferido. A responsabilidade dos dois atentados foi reclamada pelo grupo irregular ucraniano “Tini” (Sombras), embora pensa-se que os seus executores reais pertencem à empresa militar privada russa “grupo Vagner” .

5. Pavel Drimov “Batia” (Paisão), líder dos “cossacos”, liquidado em 12 de dezembro de 2015 nos arredores de Pervomaisk.
A viatura do Driomov explodiu quando este se dirigia ao seu próprio casamento. Constantemente este “cossaco” atacava verbalmente o líder da “lnr” Ihor Plotnitskiy e até ameaçava publicar os dados comprometedores, que alegadamente possuia no seu “flash-drive”.

6. Yevgeniy Zhylin, o chefe do bando “Oplot” de Kharkiv, abatido à tiro em 19 de setembro de 2016 nos arredores de Moscovo.
Zhylin foi abatido no restauranteVeterok” (Ventinho), o seu companheiro foi gravemente ferido, o killer deixou o local e desapareceu sem ser encontrado.

7. Gennadiy Tsyplakov, o “primeiro-minisrtro” da “lnr”, encontrado enforcado na “cadeia da lnr” em 24 de setembro de 2016 em Luhansk.
Na primavera de 2014 Tsyplakov era o vice-chefe dos terroristas de Luhansk, comandados pelo Valeriy Bolotov. Após a saída do Bolotov para Rússia, Tsyplakov se tornou o líder nominal darepública”, em novembro de 2014 foi designado comochefe do conselho dos ministros”, chefiou ogoverno da lnraté o dezembro de 2015.

Tsyplakov foi morto uma semana após ser publicamente acusado, pelo líder da “lnr”, Plotnotsky de ser um dos organizadores do “golpe do estado” na “república”. Um dos seus comparsas, Aleksey Karyakin, autoproclamado chefe do “parlamento da lnr” e fugitivo na Rússia, afirmava que Tsyplakov apresentava “costelas quebradas, várias contusões, um braço quebrado, esmagado”. Koryakin considera que seu amigo foi torturado até a morte.

8. Arsen “Motorola” Pavlov, o chefe do bando “Sparta”, morto em 16 de outubro de 2016 na cidade de Donetsk.
Motorola e um dos seus guarda-costas morreram em resultado de explosão no elevador do prédio onde o terrorista vivia em Donetsk. Ele era um dos líderes terroristas mais mediáticos, o chefe da “dnr”, Aleksandr Zakharchenko chamou a sua liquidação de “proclamação de guerra por parte da Ucrânia”. A sus morte foi transformada, pelos terroristas, num ato mediático, a secreta dos separatistas, “mgb dnr” deteve seis pessoas, acusados na sua morte e de ligações com as organizações nacionalistas ucranianas.

9. Valeriy Bolotov, o primeiro chefe do grupo terrorista “lnr”, morreu em 27 de janeiro de 2017 em Moscovo.
Os dados preliminares russos apontam “ataque cardíaco”, quando Bolotov estava sozinho no seu apartamento em Moscovo. Bolotov era próximo ao líder do Partido das Regiões da Ucrânia, Olexander Yefremov, atualmente em julgamento. Bolotov aderiu à causa separatista e terrorista ainda em abril de 2014, em agosto do mesmo ano disse que pediu demissão por causa de um ferimento. Em dezembro de 2016, numa entrevista à agência russa “Rosbalt”, Bolotov contou que o atual chefe da “lnr”, Plotnitsky sabotava as suas ordens e que o bando “Zaria”, comandado pelo Plotnitsky, disparava contra a cidade de Luhansk para os efeitos provocativos, pretendendo culpar, no sucedido, as forças ucranianas.   

10. Mikhail “Givi” Tolstykh, o chefe do bando “Somali”, abatido em Makiivka em 8 de fevereiro de 2017.
“Givi” morreu em resultado da explosão no seu gabinete, os seus comparsas acusam no sucedido as forças especiais ucranianas. Desde abril de 2014 aderiu à causa terrorista, participou nos combates na cidade de Slovyansk. Criou e encabeçou o bando “Somali”, foi conhecido pelos maus tratos aos militares ucranianos caídos no cativeiro terrorista no decorrer e após a queda do aeroporto de Donetsk. Em janeiro de 2017 foi ferido em combates pelo controlo da zona industrial de Avdiivka.
continua... 

1 comentário:

Anónimo disse...

Aguardamos a continuação da lista!