domingo, junho 22, 2014

Transporter 4. Tânia

No filme Transporter o herói é um macho charmoso que conduz um BMW luxuoso nas estradas europeias bem cuidadas, ganhando uma pipa de massa pelos seus serviços. A ucraniana Tetiana Rychkova, engajada na Operação anti-terrorista (OAT), conduz uma carrinha “Fiat” nas estradas secundárias do leste da Ucrânia, faz isso voluntariamente, gastando os fundos próprios e dos seus e espera contribuir pelo esforço da guerra popular pela real independência ucraniana.

Só no primeiro mês da OAT, a pequena empresária Tetiana Rychkova da cidade de Dnipropetrovsk forneceu ao exército ucraniano diversa ajuda no valor de 1 milhão de UAH (88.000 USD). Não sendo nem muito rica, nem menos ainda, milionária.

O seu marido, fã do diving, se alistou no exército ainda em março de 2013, e rapidamente descobriu que as forças armadas só fornecem aos militares o armamento, tudo o resto está em falta. Tânia: “vendi a casa de campo e queria comprar o novo forno moderno, tenho uma padaria, no fim comprei as tendas, sacos-camas, rádios e um gerador”.

Ela também compra os medicamentos, pensos rápidos especiais, óculos taticos (chineses, pagou apenas os seus direitos aduaneiros, custando 20 UAH/1,75 USD à unidade, o preço normal é 1500-2000 UAH/ 132-175 USD), sabonetes, capacetes, rádios, coletes prova-de-bala, diversas peças sobressalentes do armamento e dos equipamentos militares.

Compra o fardamento e calçado (as botas no mato não aguentam mais que uma semana), e o exército oferece aos militares 1 fardamento por meio ano. Gastou todo o seu dinheiro, dinheiro oferecido pelos parentes, começou pedir aos amigos (alguns recusaram – cortou os relacionamentos com eles), mas encontrou os novos amigos e voluntários na Internet. Muitos deles, naturais e moradores das regiões de Donetsk e Luhansk.

Deixou o seu próprio negócio, só esta envolvida no voluntarismo, faz 2.000-3.000 km por semana à conduzir, os seus país e os sogros apoiam Tânia, os voluntários pagam a gasolina.

Tânia leva a carga no seu carro, andando sempre pelas estradas secundárias, por serem mais seguras, sem mapas, nem GPS, o exército não pode acompanha-la, os batedores da inteligência militar apenas conseguem avisar onde pode andar mais à vontade e as estradas que deve evitar. O seu “Fiat” desliza balançando nos caminhos molhados, Tânia planeia o reparar quando puder, com ajuda dos voluntários em Kyiv.

Outro item muito procurado pela Tânia são os coletes prova-de-bala (neste momento, a sua quase totalidade é comprada pelo Ministério da Defesa, mas não chegam à frente da batalha), não se percebe porque o mesmo Ministério não fornece a quantidade necessária de óculos da visão noturna. Perguntas para serem respondidas após a chegada da paz. Agora todos os esforços são para a defesa do país.

Tânia também tem outros planos: deixar de fumar 1,5-2 maços por dia, deixar de se expressar em calão militar, passar à viajar com filho e marido. Mas para já continua o seu trabalho voluntário. Também quer fundar, com outros voluntários, uma ONG que ajudaria o exército e não permitiria os roubos.

Ela irá conseguir, vocês verão!
https://www.youtube.com/watch?v=9BEtoRnt7a4

UPD:
O coordenador dos voluntários que apoiam o exército ucraniano, Wings Phoenix, informa que a resistência ucraniana comprou para Tânia um novo caro à gasóleo, “17.000 dólares, em muito bom estado, legal, com direitos aduaneiros pagos”.

2 comentários:

Anónimo disse...

Exercito russo imita capitalismo americano:

http://euromaidanpr.wordpress.com/2014/06/22/russian-army-appropriates-american-logo/

kkkkk

Boa noticia:

http://www.bbc.com/news/world-europe-27272993

Agora e esperar que o novo presidente da ucrania faca o mesmo!

Anónimo disse...

Recomendo este blog:

http://euromaidanpr.wordpress.com/