sexta-feira, abril 12, 2019

Justiça russa confirma a expulsão e mantêm a prisão do estalinista brasileiro

No dia 11 de abril, o tribunal da 2ª instância de região de Leninegrado apreciou o caso do estalinista brasileiro Cristiano Lima e manteve a deliberação anterior: expulsão administrativa da Rússia e permanência do réu no centro da detenção.

Audiência demorou menos de meia hora, o juiz apreciou o caso e deixou a sentença do tribunal da 1ª instância inalterada. Apesar do desejo do réu de estar presente, ele não foi trazido do centro da detenção de Gatchina. Aparentemente, Cristiano Alves ainda tem uma última chance de fazer uma nova apelação, este processo poderá levar mais um mês.

O tribunal da 1ª instância de Vyborg decidiu a expulsão compulsiva do Cristiano Alves da federação russa ainda em 25 de março. Mas o Estado russo não tem pressa para deportá-lo. Segundo os juristas russos, o poder judicial poderá muito bem manter o jovem estalinista detido por um ano, e por uma decisão judicial – acima de um ano.

É de recordar que o cidadão brasileiro Rafael Lusvarghi, detido e julgado na Ucrânia, acusado de participação nas organizações armadas ilegais e terroristas, costumava marcar com o nome de Cristiano Alves os obuses de artilharia (semelhantes aos da foto em baixo), que depois usava para alvejar as Forças Armadas Ucranianas (FAU) e eventualmente os civis, moradores da região de Donbas.

Caso Lusvarghi

Como informa o serviço de imprensa da Procuradoria de Kyiv, o Ministério Público da Ucrânia pediu uma nova punição ao Rafael Lusvarghi, a prisão maior por um período de 14 anos, com confisco de bens e exigência de réu pagar os custos judiciais no valor de cerca de 15.000 UAH (550 dólares).

A porta-voz da Procuradoria de Kyiv, Nadia Maksymets explicou que os 755 dias que Lusvarhi já passou sob custódia, serão subtraídos da sua pena finalÉ de notar, que o réu se deu como culpado na acusação da participação nas atividades de grupos armados ilegais, mas negou a sua participação em organizações terroristas.

Anteriormente, no mesmo tribunal, um militar ucraniano reconheceu Lusvarghi como membro de grupos armados ilegais no decorrer dos combates nos arredores do aeroporto de Donetsk em 2015.
Rafael Lusvarghi no tribunal de Pavlohrad em 24/01/2019
O tribunal interdistrital de Pavlohrad estendeu a detenção do Lusvarghi até o dia 16 de maio de 2019 e programou para o dia 2 de maio de 2019 a data da audiência em que o réu terá o direito à sua última palavra.

4 comentários:

Rubens Bulad disse...

Vai lá na Russia pregar o comunismo e viver ilegalmente, amiguinho. Vai dar super certo!! Kkkkk 😂😂😂
Se fode aí, fdp.

Anónimo disse...

Como vocês tiveram acesso a essa notícia e a suposta carta do Cristiano? Houve algum outro veículo que divulgou a informação?

Jest nas Wielu disse...

A carta é divulgada entre os apoiantes russos do Cris.

Fernando disse...

Exatamente hahahaha