sábado, março 08, 2014

Quem são os nazis na Ucrânia?



O "anti-fascista" Pavel Gubarev...

O grau de absurdo ligado às acusações de “nazismo-fascismo” contra Ucrânia, ucranianos e os membros do executivo ucraniano supera todos os níveis de decência e do bom senso.


Abruptamente, um político português, ex-maoista ele próprio, que anos sem fim defende e branqueia as atividades dos skinheads de “Hammerskins Portugal” e do seu fuhrer Mário Machado, fica preocupado com os “radicais nacionalistas com uma genealogia complicada desde os anos vinte do século XX”. Ora “intelectual francês” e ativista LGBT que mora em Damasco acusa Dmytro Yarosh de “nazismo” por alegadamente “se fazer passar” por cossaco Mykhaylo Havrylyuk (Sic!). Como se diz na Ucrânia, “circo já se foi, mas os palhaços ficaram”.

Mas este tipo de palhaçadas políticas não é criado só pela piada. Surge, por exemplo, para branquear a verdade sobre os reais nazis e reais fascistas que atualmente operam na Ucrânia.

Vejamos o retrato do líder dos separatistas russos na região de Donetsk, o autoproclamado “governador popular” da cidade, Pavel Gubarev (1983).
 
Pavel Gubarev (no meio) no grupo nazi russo RNE
O “antifascista” Pavel é membro da organização fascista e clandestina russa Unidade Nacional Russa (RNE). O grupo é proibido na Rússia, pois advoga, entre outras coisas, a expulsão da Rússia de minorias étnicas, tais como judeus ou emigrantes do Azerbaijão, Geórgia ou Armênia. RNE igualmente condena violentamente os casamentos inter-raciais ou interétnicos.
 
Nazi com complexo de Napoleão...
Desde o dia 6.2.2014, Pavel Gubarev é detido pela secreta ucraniana SBU, é acusado ao abrigo de três artigos do Código Penal da Ucrânia: tentativa do derrube da ordem constitucional; atento contra a unidade territorial da Ucrânia e ocupação de edifícios governamentais da Ucrânia.   

A sua base de apoio são os “turistas russos”, que se infiltram na Ucrânia, aproveitando-se da ausência de vistos de entrada entre os dois países.

Ler mais sobre os “turistas russos” (“From Russia, ‘Tourists’ Stir the Protests”):

Sem comentários: