terça-feira, fevereiro 13, 2018

Arte proibida na União Soviética (24 quadros)

O pintor não-conformista russo Vasily Kolotev desenhava no estilo “realismo não socialista”, e como tal, tinha que esconder todos os seus quadros, pintados nas décadas de 1970-1980. Na URSS a sua arte era proscrita e podia levar à prisão. Como tal, a sua primeira exposição oficial ocorreu apenas em 1992.  

O pintor nasceu em 1953 e desde criança se dedicava à arte. Após se graduar na escola de arte e servir no exército soviético, ele se muda para Moscovo, onde vive num apartamento comunal, komunalka, nos arredores da famosa rua moscovita – Arbat.  

Aqui nasce o estilo do pintor, que se dedicava ao retratar o quotidiano soviético. Enquanto nos quadros do realismo socialista os cidadãos soviéticos eram fortíssimos e felizes, os heróis do Kolotev viviam a sua pequena vida dos moradores de komunalkas e clientes das cervejarias e tascas.

Dado que os seus quadros eram proscritos, o pintor trabalhou como serralheiro e desenhador numa fábrica têxtil – tudo para não ser considerado “improdutivo”, escapando a punição do estado soviético. Após a sua primeira exposição oficial em 1992, quase todos os seus quadros foram comprados pelas galerias de Paris, Nova Iorque e Berlim.

Vasily Kolotev continua à trabalhar, AQUI podem ser vistos os seus trabalhos atuais, desenhados em estilos mais diferentes.

01. “E barco navega. Cervejaria”. O quadro mostra a realidade das cervejarias soviéticas — falta de higiene, sujidade, peixe enlatado da 3ª como acompanhamento. Mesmo assim é uma cervejaria “rica” — com canecas de vidra, nas cervejarias do povo a cerveja era servida apenas em frascos de 0,5 litos.

02. “Não recebem 0,5”. Quadro dedicado ao tema da venda de vasilhame.  

03. “Ressurreição”. Um pátio fechado pelo muro e os populares à beberem cerveja num dia de trabalho. Possivelmente a palavra “ressurreição” significa aqui o consumo da cerveja para combater a “babalaza” do dia anterior, após o consumo de vodca.  

04. “Cena de boulevard”. Um trio à beber vodca num boulevard coberto da neve. No plano secundário vemos uma varredora à limpar a neve.

05. “Cena de boulevard-2”, a mesma cena vista de costas. No centro do quadro o líder bolchevique Ulianov (Lenine) dialogando com o povo revolucionário.

06. “Prisão do propagandista. Centro médico de desintoxicação”. O quadro mostra, de uma forma bastante fidedigna os interiores de um típico centro soviético de desintoxicação compulsiva.

07. Quadro “Alo” mostra o quotidiano do apartamento comunal soviético, komunalka, estes apartamentos não possuíam os telefones individuais até o início da década de 1990.

08. “A Nona Vaga”. Um dos quadros mais conhecidos e mais terríveis de Kolotev. O marido dormindo bêbado dorme, vestindo fato de treino azul, e a esposa com um bebé nos braços e uma segunda criança no chão fica com um olhar de desespero e desapego.

09. “Dominó”. Na URSS os homens, durante horas jogavam dominó, cartas e outros jogos inúteis, sentando nos pátios dos prédios em que viviam. Muitas vezes, desta forma, passavam o seu tempo os estivadores e outros trabalhadores, pois na URSS os salários eram calculados e pagos na base do princípio: “o soldado está dormindo – o serviço está contando”.

10. “Data vermelha do calendário”. O proletariado celebrando a data do golpe bolchevique de 1917.

11. “Espadas trunfo”. As vendedoras e estivadores de uma loja jogam as cartas na porta traseira do seu estabelecimento.

12. “As folhas de álamo caem do fraxinus”. A imagem retrata, algum tipo de convívio no pátio de algum prédio de habitação, coisa adorada pelos fãs da URSS.

13. “Mestre do seu ofício – 1”. O mestre que afiava facas, machados e tesouras, ofício existente na URSS ainda no início da década de 1980.

14. “Mestre do seu ofício – 2” mostra o trabalho de mestre sapateiro. Na URSS eram permitidas a uma espécie de “microempresas” privadas, desde que não usem nenhum tipo de trabalho assalariado. 

15. “Pátio moscovita”. O quadro mostra o estado de infra-estrutura urbana soviética.

16. “Nas escadas”. O quadro mostra a situação clássica em que os populares querem beber e não encontram o melhor ligar para fazê-lo, senão as escadas de um prédio de habitação.

17. O quadro chamado “Frutas – legumes” – mostra uma loja com este nome em segundo plano, embora a ação se desenrola na sua frente – as mulheres se alinham para a pesagem, as suas figuras deformadas pela má alimentação lembram vegetais e frutas gigantes.

18. “Fila”. Quadro mostra uma fila gigante numa mercearia que oferece uma escolha extremamente limitada.

19. “Empreendedor”. Um vendedor do calçado.

20. “Corte tipificada”. Comércio soviético de carne.

21. Quotidiano das komunalkas. O quadro “Navega, navega o barquinho” mostra a banheira do apartamento comunal.

22. “Tema II”. Casa de banho/banheiro em komunalka.

23. “Manha do vizinho”.

24. “Mercado dos pets”.
Então, os nossos queridos leitores, vocês gostariam de viver num país assim?

Quadros @Vasily Kolotev | Texto: Maxim Mirovich

Sem comentários: