domingo, maio 18, 2014

Tártaros da Crimeia: vítimas da limpeza étnica

Na noite de 18 de maio de 1944, cerca de 238.500 tártaros da Crimeia, quase a totalidade de uma nação foram deportados da península aos distritos longínquos da Ásia Central, regiões das Montes Urais e Alto Volga (sob acusação falsa da “traição” da URSS na II G.M.).

Na operação participaram cerca de 23.000 soldados da NKVD e cerca de 9.000 funcionários da NKVD-NKGB, em colaboração com exército soviético, órgãos locais do poder, organismos estatais responsáveis pelo transporte. Como resultado, cerca de 109.956 (46,2%) dos deportados, morreram entre 1.07.1944 e 1.01.1947 devido à mal-nutrição e doenças.

13 nações diferentes (Deportação dos tártaros da Crimeia) foram designadas pelo Estaline como “nações traidoras” e deportados. Todos os representantes destes povos recebiam um passaporte da cor diferente (cinzento), nas suas cadernetas militares estava escrito: “retirado o direito de defender a Pátria”.

Crimeia hoje

Proibidos pelo poder de ocupação de se manifestar no 70º aniversário da sua tragédia nacional, os tártaros de Crimeia organizam a sua primeira grande manifestação, para recordar o dia, quando foram deportados para a Ásia Central soviética, por ordens de Moscovo.

Apesar de proibida, a manifestação está em curso. Há cerca de 40 mil pessoas, muitas com bandeiras da Ucrânia. Moscovo moveu para Simferopol duas companhias de polícia de choque, blindados e helicópteros, que estão a sobrevoar os manifestantes, escreve o jornalista Nuno Rogeiro.

Cidade de Simferopol

Sob o lema “O povo, a Pátria, a Crimeia são Unidos”, nos arredores de Simferopol teve lugar o comício fúnebre, dedicado ao septuagésimo aniversário de deportação dos tártaros da Crimeia da península.

Pela primeira vez desde 1991, por causa da proibição do poder auto-proclamado da Crimeia, o comício teve o seu lugar não no centro de Simferopol, mas nos arredores da cidade, da aldeia de AK-Mechet. As autoridades auto-proclamadas intensificaram as medidas de segurança – a polícia de choque estava nas proximidades, a localidade era constantemente sobrevoada pelo helicóptero, que monitorizava o decorrer do comício.

"Amo a Ucrânia": diz a menina tártara...
O evento durou duas horas. De acordo com estimativas preliminares, na cerimónia participaram cerca de sete mil pessoas com as crianças. Os participantes no comício seguravam as bandeiras ucranianas e símbolos e bandeiras dos tártaros da Crimeia, informa o 5º canal da TV ucraniana.

Sem comentários: