sexta-feira, maio 19, 2006

Ucrânia na Eurovisão 2006



Semi – final, dia 18 de Maio de 2006
*Com a colaboração do amigalhaço Valentyn Chernysh, uma Absolut, duas Red Bull e 1 litro do sumo...
Dia 18 de Maio, a cidade grega de Atenas viveu o semi – final do festival, onde a representante ucraniana concorreu com representantes dos 23 países, e conseguiu o seu lugar entre 10 melhores, rumo ao Grande Final no dia 20. No total, no concurso, participam representantes das 37 países, mas 14 destes, já tiveram o seu lugar assegurado, graças às classificações altas que obtiveram em 2005.
Neste ano, a Ucrânia é representada no festival da Eurovisão pela cantora Tina Karol (Тіна Кароль).

Os participantes do semi - final:

1. Andre – Arménia – alguma coisa o rapaz a as suas bailarinas aprenderam com os contemporâneos, radicados nos EUA, os míticos System of a down... Deu para passar para o final.
2. Mariana Popova – Bulgária – não era nem muito má, nem muito boa...Ficou-se pelo caminho.
3. Anzej Dezan – Eslovénia – podia ser melhor... Voltou para casa...
4. Jenny Serrano – Andorra – cantou em espanhol e era uma menina um bocado gordinha... Não se safou...
5. Polina Smolova – Belarus – mama deixa me namorar, ou algo assim, não se percebia o que queria dizer a rapariga! Mas tinha uma dançarinas bastante giras com meias de liga sexy, que não bastaram para o entrar no final...
6. Luiz Ejlli - Albânia – rapaz tinha um look dos cantores “pimba” de Portugal (camisa por cima do casaco, o resto muito a-la Ricky Martin). Era acompanhado pelos dois tipos com trajes e instrumentos albaneses tradicionais. Não valeu...
7. Kate Ryan - Bélgica – a musica chamava-se J T’adore e era qualquer coisa parecida com o pop actual da Europa: menina sexy, estilo soul, algum decote e pernas a mostra. Menina parecia uma Britney Spears envelhecida... Dançarinos eram rapazes vestidos de preto, com umas estacas muito Freudianas para segurar o micro da loirinha... Não valeu...
8. Вrian Kennedy – República da Irlanda – não fugiu muito do estilo habitual irlandês: homem bem vestido, back vocals também bem vestidos, de trajes clássicas. Uma espécie da musica country europeia... Sempre compensa neste festival, seguiu em frente.
9. Annette Artani– República da Chipre – uma grega étnica que vive em Nova Iorque, com seios bem a mostra, tentou responder a questão essencialmente retórica: porque os anjos choram? Tinha um coro de gospel em seu apoio e o apresentador português disse que a tipa anda cantar com a Britney. Será? Aqui ficou-se pelo caminho...
10. Severine Ferrer – Monaco – La coco dance – pretendia fazer um tributo a cultura nativa da Polinésia Francesa. Não sei se os nativos gostaram da ideia. Era uma musiquinha alegre, daqueles que são consumidas na praia, junto com umas vodkas e umas meninas nativas. Ups... eu disse alguma coisa politicamente incorrecta?..
11. Elena Ristevska – FYR Macedônia – a cantora era realmente sexy e sabia mexer o seu corpo bem torneado! Musica também era bastante alegre, com fortes motivos balcânicos. Merecidamente passou para o final.
12. Ich Troje – Polónia – “Eles são três / Follow my heart”, eram uns tipos bem talentosos, com a roupa sexy que era uma mistura entre o ouro kitch e as máscaras da Veneza. Na musica tinham motivos russos, sabe-se lá porque... Deviam aprender, já no ano passado o Iwan & Delfim ferraram-se com coisas dessas. No fim da musica, o rapaz puxou o vestido da rapariga, mostrando o fio dental dela. Era giro, mas tinham que voltar ao país com as mãos a abanar...
13. Dima Bilan – Rússia – musica era assim – assim, mas a coreografia bem trabalhada, embora algo plagiada do vídeo – clipe do grupo afro – ucraniano Black Peelers. Os russos prometeram que haverá duas meninas africanas como back vocals, mas por alguma razão, estas foram substituídas pelas meninas bem russas. Dima passou para o final.
14. Sibel Tuzun – Turquia – menina tinha uns tatoos bem bonitas e um visual de Xena, a Guerreira. Era loira falsa. Só os sovacos podiam ser melhor depilados... Passou para o final.
15. Tina Karol – Ucrânia – Show me your love, uma coreografia bastante estilizada, que na realidade tinha muito pouco ver com a Ucrânia real (era mais a-la Ucrânia para os estrangeiros). Musica, na continuação da Ruslana: pop com motivos étnicos, mas também com fortíssimas influências da Chakira. Será que o folclore era ucraniano? Pessoalmente, duvido. Talvez russo – balcânico disfarçado. Mas passou para o final, mereceu um copo extra...
16. Lordi – Finlândia – Vikings que querem brincar aos Monstros do Rock. O microfone era disfarçado de machado da guerra, os tatoos faciais diabólicos, asas de morcego, mascaras de borracha dos membros da banda a imitar os monstros, as vozes graves das pessoas que acabaram de consumir a mistura explosiva da “hera” com Absolut. Enfim, o pop que morre para disfarçar-se de metal pesadão... Mas passaram para o final.
17. Treble – Holanda – mais umas princesas Xenas com batuques africanos e roupas a-la Destiny Child... Mais alguns motivos ciganas... Não convenceram...
18. LT United – Lituânia – uns tipos de fatos pretos muito giros, que cantaram que ... já são os vencedores da Eurovisão. Podiam deixar a musica, o ritmo, mas deveriam mudar a letra. Ou talvez não, porque afinal, o público gostou, passaram para o final.
19. Non Stop – Portugal – Rita, Andreia, Kátia e Liliana são umas meninas parecidas com ABBA ou Bony M, só que em vez de ser dois homens e duas mulheres, são quatro raparigas... É a revolução sexual... Cantaram em português e inglês. Até eram giras... Lembravam a Âgata, quando era jovem. Por dentro dos vestidos apertados, podiam-se deslembrar os mamilos, e o púbis, denunciava-se como bem peludo. E ainda um pais católico... Na Europa as raparigas não vergaram...
20. Carola – Suécia – com a musica chamada Invencível, estilo de ABBA e umas roupas um pouco kowboy, um pouco índios... Uma menina brunette, que vem da Suécia... Mmmm. Quero loiras, eu! Coreografia... just normal... Passou para o final.
21. Sandra Oxenryd – Estónia – uma sueca representou a Estónia, tem 23 anos e canta desde os seus 11. Through my window, chamava-se o tema. Visual também era um pouco à ABBA: botas brancas altas, meninas loiras como back vocals, vestidos a imitar os trajes femininos da Grécia antiga, só que o seu comprimento era do século XXI...
22. HariMataHari – Bósnia e Herzegovina – a canção chamava-se Lejla, musica tinha violino e uma harmónica, estilo do palco muito minimalista, muito preto & branco, que trazia um ambiente muito calmo, sensual e ... misterioso. Rapaz cantou em bósnio. Passou para o final.
23. Silvia Night – Islândia – Congratulations, era o seu tema, o apresentador português disse que rapariga insultou os gregos e que era o escândalo local... São parecidos com Maroon5, se você sabe o que quero dizer com isso... Menina tinha muitas penas, botas brancas, cetim. A própria musica ura um spaghetti pop sem qualidade, tipo anos 80. Vozinha de uma menina mimada dizia qualquer coisa sobre as nações europeias. No fim, a cantora e os dançarinos semi arrancaram mutualmente as roupas... Não convenceram...
Para confirmar: Em 2006 o concurso será visto pelos 100 milhões de pessoas em cinco continentes. No concurso foram acreditados cerca de 2.000 jornalistas. Para criar maior transparência, cada número do telefone, permitia fazer apenas 20 chamadas para a votação.
(Mandamos democraticamente uns 25 SMS para apoiar a Ucrânia, se calhar, valeu!)

Mais inforormação sobre a representante ucraniana:

http://www.eurovision.tv/english/593.htm (em inglês)
http://www.eurovision.tv/francais/ukraine.htm (em francês)
http://1tv.com.ua/eurovision/euronews/ (em ucraniano)http://www.eurovision.tv/english/593.htm (lírica em inglês)
Fotos: RTP Internacional

Sem comentários: