sábado, dezembro 31, 2016

RIP Leonid “Kozak” Provodenko

No dia 28 de dezembro morreu em combate o militar ucraniano, Leonid “Kozak” Provodenko (51), o 1º sargento do 12º Batalhão especial da infantaria motorizada. Antes da sua morte, em um combate corpo à corpo ele liquidou, à facada, dois russo-terroristas, algo que estes não lhe perdoaram...
O combate curto decorreu na zona de Kruta Balka na região de Donetsk. Leonid “Kozak” (Cossaco), comandante do pelotão de reconhecimento foi atingido pelo fogo dos terroristas. que no fim, conseguiram ficar com o seu corpo. 
De seguida, os russo-terroristas colocaram na Internet as fotos e vídeo do deboche infringido ao corpo do guerreiro ucraniano. Facebook bloqueou a página da terrorista que colocou as imagens na rede, as publicamos (as menos chocantes), pois acreditamos fielmente que é necessário expor e denunciar a selvajaria “antifascista”, permitida e até exortada pela sua ideologia do “mundo russo”.
Leonid nasceu em 10 de setembro de 1965. Antes da guerra russo-ucraniana vivia na aldeia de Mykhaylivka na região de Luhansk, era o inspector civil da protecção do meio-ambiente. Casado, era pai de dois filhos. Com início da ocupação russa levou a sua família para Kyiv e em 6 de agosto de 2014 se voluntariou para a linha da frente. Serviu no 12º Batalhão especial da infantaria motorizada, sempre cuidando de companheiros mais jovens, seguia as tradições dos cossacos ucranianos e era um grande patriota da Ucrânia. Sonhava libertar a sua aldeia natal, voltar para a casa dos seus pais e ao trabalho favorito...
O inimigo cruel e desonrado acabou por entregar o corpo de Leonid às forças ucranianas dois dias após o combate mortal. ATENÇÃO! O seu funeral decorrerá na segunda-feira, 2 de janeiro, no cemitério militar Lukyanivsky em Kyiv. O último adeus público terá o lugar em Kyiv, às 11h00 na rua Instytutska, a saída superior do metro “Khreshchatyk”, na alameda da Centena Celestial.
Faça click para ver vídeo
Faça click para ver vídeo
Faça click para ver vídeo
A 72ª Brigada das FAU: Glória eterna ao companheiro “Kozak”! Ucrânia realizará o seu sonho: a sua aldeia será libertada dos assassinos, a sua casa será entregue aos seus filhos...

Os animais da “lnr/dnr” colocaram as fotos e vídeo do Guerreiro ucraniano caído, sonhando assustar os ucranianos com a sua barbárie. Não assustaram. E sim, ele será vingado. Leonid Provodenko “Kozak” será lembrado para sempre.
Glória eterna ao Herói da Ucrânia!

sexta-feira, dezembro 30, 2016

O calendário “Guerreiro”: as prendas que salvam Ucrânia

O calendário “Guerreiro” mostra a aparência dos guerreiros ucranianos que ao longo dos séculos e até hoje defenderam e defendem Ucrânia: os guerreiros da Ucrânia-Rus, os cavaleiros medievais, os cossacos, os militares do UPA, da UNR, do UGA, dos atiradores de Sich, entre outros.
Os autores do projeto são fotógrafa e etnógrafa ucraniana Anna Senik (Ładna Kobieta) e historiador Mykola Balaban. Segundo os autores, eles tentaram transmitir a ligação imortal entre “os vivos, os mortos e os ainda não nascidos”, demonstrar os ucranianos como uma nação de guerreiros, endurecidos pela luta secular na defesa da Pátria.
O calendário é produzido pela produtora nacional, Folk Moda, o brand ucraniano que apoia fortemente e promove tudo que é ucraniano, decidiu produzir o calendário, que, de acordo com os Folk Moda irá embelezar a moradia de qualquer ucraniano.
Todas as imagens fotográficas são reconstruções históricas, o único retrato real é do combatente da Operação Antiterrorista (OAT), feito na frente de combate. Pois, a atual guerra russo-ucraniana pela libertação do leste da Ucrânia é a melhor oportunidade para compreender verdadeiramente a continuidade da tradição militar ucraniana.
Esperamos que este calendário se torne uma boa prenda nesta época do ano e que ajudará a saber mais sobre a história das formações militares da Ucrânia.

Os preços: A5 – 120 UAH (4,4 USD); A3 – 220 UAH (8,1 USD).
Comprar: AQUI

Holodomor: a morte pela fome, o início da 2ª etapa

No dia 29 de dezembro de 1932, o Bureau Político do PC (b) da Ucrânia aprovou a diretiva sobre a retirada de todas as existências alimentares, em poder dos kolkhozes ucranianos. A decisão das estruturas comunistas condenou à morte milhões de camponeses ucranianos no decorrer do genocídio soviético do Holodomor.
Em dezembro de 1932, ao mando do Estaline e para auxiliar Molotov (que já se encontrava na Ucrãnia), para a cidade de Kharkiv (na altura a capital da Ucrânia soviética) veio Lazar Kaganovitch que acabou de terminar “com sucesso” a sua missão no Cáucaso do Norte. Presssionado pelo Kaganovitch, o Bureau Político do PC (b) da Ucrânia aprovou a diretiva aos comités distritais e regionais do partido comunista, nas localidades, onde os kolkhozes ainda não cumpriram o plano de armazenamento de trigo, para imediatamente, em 5-6 dias úteis entregar “todos os grãos disponíveis, incluindo os chamados fundos de semeadura”. Qualquer atraso era considerado como a sabotagem por parte da liderança distrital.

A retirada dos fundos de semeadura, por sua vez, impossibilitou a campanha agrícola na primavera de 1933, a envergadura do genocídio estava apenas se alastrar...
O passaporte (documento de identificação nacional) no império russo em 1916
Para impedir as pessoas de sair das regiões afetadas, procurando os alimentos nas repúblicas vizinhas (Belarus ou Rússia), o poder soviético decide impedir a migração da população, usando os meios administrativos. Em 27 de dezembro de 1932, na URSS é reintroduzido o sistema de registo obrigatório do domicílio e do uso dos passaportes internos (até ai visto como a “herança do czarismo sangrento” e abolido em 1917). Os camponeses foram excluídos (Sic!) das categorias de cidadãos soviéticos à quem eram emitidos os passaportes (segundo a deliberação do Comité Executivo Central e do Conselho dos Comissários Populares de 27 de dezembro de 1932, chamada “Sobre o estabelecimento do sistema único de passaportes na URSS e do registo obrigatório de residência de passaportes”).
O passaporte (documento de identificação nacional) soviético, 1946
Blogueiro: aos “negacionistas” habituais do Holodomor ucraniano, aconselhamos, habitualmente, as leituras da brochura do Raphael Lemkin (o homem que criou o termo “genocídio”), chamada “Genocídio soviético na Ucrânia” (1953). O documento é disponível em 28 idiomas, incluindo o português:
http://uccla.ca/SOVIET_GENOCIDE_IN_THE_UKRAINE.pdf

quinta-feira, dezembro 29, 2016

Os EUA impuseram as novas sanções à Rússia e expulsam 35 diplomatas

Hoje, os EUA impuseram as novas sanções à Rússia por causa de ciberataques que interferiram na eleição do 48º presidente americano. O alvo das sanções são 4 oficiais do GRU, 2 hackers afiliados, 3 empresas russas de informática; FSB e GRU no seu todo!

Na página do Departamento do Tesouro dos EUA foi publicada a Ordem Executiva № 13694; denominada “As Sanções relacionadas às atividades cibernéticas”.

Hoje, o presidente [Obama] emitiu a Ordem Executiva, tomando as medidas adicionais para abordar a emergência nacional em matéria de significativas atividades suspeitas maliciosas cibernéticas. Com isso, é emendada a Ordem Executiva № 13694, “Bloqueando a propriedade de certas pessoas significativas atividades suspeitas maliciosas cibernéticas”. A OE № 13694 autorizou a imposição de sanções contra indivíduos e entidades determinadas à serem responsáveis ou cúmplices em atividades cibernéticas maliciosas que resultam em danos enumerados, ou que são razoavelmente prováveis que resultem em, ou contribuíram significativamente para a ameaça significativa à segurança nacional, política externa ou a saúde económica ou a estabilidade financeira dos Estados Unidos. A autoridade foi alterada para também permitir a imposição de sanções contra indivíduos e entidades determinadas a serem responsáveis pela adulteração, alteração ou apropriação indevida de informações com o objectivo ou o efeito de interferir ou minar processos ou instituições eleitorais. Cinco entidades e quatro indivíduos são identificados no anexo da Ordem Executiva alterada e serão adicionados à lista de Cidadãos Especialmente Designados e Pessoas Bloqueadas (Lista SDN) do Escritório de Controlo de Ativos Estrangeiros (OFAC) do Departamento do Tesouro dos EUA.

Os indivíduos colocados na Lista do OFAC:

Vladimir Stepanovich ALEXSEYEV (o Primeiro Vice-Chefe do GRU); Aleksey Alekseyevich BELAN (hacker “Abyr Valgov”; “BELAN”, “Abyrvaig”; “Anthony Anthony”; “Fedyunya”; “M4G”; “Moy.Yawik”; “Mrmagister”, etc.); Evgeniy Mikhaylovich BOGACHEV (hacker “Lastik”; “lucky12345”; “Monstr”; “Pollingsoon”; “Slavik”); Sergey Aleksandrovich GIZUNOV (o Primeiro Vice-Chefe do GRU); Igor Valentinovich KOROBOV (o chefe do GRU); Igor Olegovich KOSTYUKOV (o Primeiro Vice-Chefe do GRU);

As entidades colocadas na Lista do OFAC:

Autonomous Noncommercial Organization Professional Association of Designers of Data Processing Systems; Special Technology Center; Zorsecurity; FSB e GRU.

EUA expulsam 35 diplomatas russos e fecham dois complexos

Como informa a agência Reuters, os Estados Unidos expulsaram os 35 diplomatas russos e fecharam dois complexos russos em Nova Iorque e Maryland em resposta à uma campanha de assédio contra os diplomatas americanos em Moscovo.

A ação contra os diplomatas da embaixada russa em Washington e do consulado em São Francisco é a parte de uma série de ações anunciadas nesta quinta-feira para punir a Rússia por uma campanha de intimidação contra diplomatas americanos em Moscovo e por interferir nas eleições americanas.

Os diplomatas russos têm 72 horas para deixar os Estados Unidos. O acesso aos dois complexos, usados por oficiais russos para a colheita de informações, será negado a todos os oficiais russos a partir do meio-dia de sexta-feira.

Made in Ucrânia: drone «Leleka-100»

O novo VANT ucraniano “Leleka-100” é um sistema de software e hardware de alcance médio que executa as tarefas de vídeo vigilância, patrulhamento, mapeamento de solo e obtenção de coordenadas geográficas precisas em tempo real.
O voo do “Leleka-100” pode decorrer em regime automático (pré-programado) e guiado pelo operador que, no caso de necessidade, pode direccionar o aparelho à um determinado quadrante. O aparelho usa o canal de rádio codificado que permite receber os dados de telemetria e de vídeo em tempo real. Na sua versão base o aparelho é funcional com a velocidade de vento até 15 m/s; a distância percorrida é até 120 km ou 2,5 horas de voo (ausência do vendo aumenta a sua autonomia). «Leleka-100» possui a câmara de vídeo com zoom até x10, com três eixos de estabilização que permite ao operador ter uma visão panorâmica. A codificação do sinal garante a não penetração do sistema pelos receptores não autorizados. A câmara de vídeo permite uma boa detalização do terreno à partir de 400–600 m; o sinal transmitido não contém a telemetria ou as coordenadas GPS do voo. No caso do seu desvio e descodificação, a telemetria não denunciará a localização do aparelho ou dos operadores.
O drone permite a colocação de uma câmara fotográfica extra que pode tirar as fotos, comandada pelo operador ou sob o programa pré-determinado. Para evitar a sua deteção pelos sistemas de vigilância do inimigo, o drone ucraniano pode efetuar uma parte do seu voo em regime do “silêncio” de comunicações, com o sinal de vídeo ligado ou desligado pelo operador de forma remota (milnavigator.com).
Recentemente, o futebolista ucraniano Roman Zozulya (na foto em cima à esquerda), jogador da seleção da Ucrânia e do “Real Betis” e um dos fundadores da fundação “Exército Popular”, entregou um destes complexos ao exército ucraniano (FAU). Na altura o futebolista tinha dito: “agora o exército terá mais um “pássaro”, isso significa a inteligência [militar] mais precisa, mais alvos atingidos e, mais importante, as vidas salvas de nossos militares”, informa a Inteligência Militar da Ucrânia (gur.mil.gov.ua).
Um dos voluntários que acarinha o projeto é Yuriy Kasyanov, no seu Facebook ele publicou a foto dos dois drones “Leleka-100” que servem aos batedores do 8º regimento do spetsnaz de Khmelnitskiy (atualmente a parte das Forças de Operações Especiais – SSO).
Os drones na foto foram reparados e renovados pelos especialistas da Empresa de produção e inovações DeViRo, após uma curta pausa os drones novamente vão para o seu local de trabalho, a frente de combate no leste da Ucrânia.

Queres ajudar ao Pai Natal?

PrivatBank (só na Ucrânia): 5457 0822 3202 1415 (Yuriy Kasyanov)
PayPal: ournebesa@gmail.com (mensagem: charity donation)

quarta-feira, dezembro 28, 2016

Os planos russos de ocupação, subjugação e destruição da Ucrânia (2)

O economista, apresentador da TV e radio, ex-responsável da administração presidencial russa, Mikhail Hazin, apresentou a nova visão da destruição da Ucrânia: desmembramento territorial do país, a proibição completa da língua e da cultura ucraniana, a expulsão e a morte (!) de alguns milhões de ucranianos.

No dia 23 de dezembro Hazin apresentou a sua visão da destruição da Ucrânia no decorrer do funcionamento do clube sócio-político “Perspectivas russas”.

Depois tudo depende daquilo o que queremos. Queremos manter Ucrânia unida, mas fiel à Rússia. Então é necessário devolver Donbas com a mudança de liderança em Kiev... Depois começa a contra propaganda. [...] Sim, existem grosso modo, alguns milhões de pessoas que não podem ser corrigidas. Então, eles devem ser parcialmente eliminadas (Sic!) e em parte – expulsas.

A segunda opção, de acordo com Hazin, é uma divisão da Ucrânia.
"Os pacíficos apoiantes de federalização do sudeste da Ucrânia em luto pelo avião
ucraniano de transporte An-26 e pela sua tripulação. Donbas, 2014".
A imagem deve ser a seguinte. A Novaróssia, ou seja, todo o território de Kharkiv até a região Odessa. Podem ser as províncias de Zaporizhia, Dnipropetrovsk. A Novaróssia deve entrar na Rússia com as regiões completamente deucrainizadas. Com a proibição total da utilização do alfabeto ucraniano, dos textos ucranianos, dos programas em língua ucraniana, do ensino ucraniano. A proibição total. A cidade de Kiev e a parte norte da Ucrânia, desde Sumy até Kiev, Chernihiv, e assim por diante, deve ser o estado agrícola. Sem poder ter o exército e sem a indústria.

Sim, neste caso, haverá um excesso de população. O excedente populacional deve ir para o Extremo Oriente [russo]. Precisamos de levantar [o nosso] país. E aquela parte [da Ucrânia] Ocidental, os ocidentais – quatro ou cinco regiões. Simplesmente temos que os entregar à Polónia. Isso é, todo o [nacionalismo ucraniano] temos que expulsar para lá e entregar aos polacos. Dado que pela divisão do mundo Polónia também [pertencerá] à nós. Precisamos de garantir a lealdade da Polónia e ocupar eles com alguma coisa.

Desde 31 de agosto de 2015 Hazin é proibido de entrar na Ucrânia.
Em 1997-1998 Mikhail L. Hazin era o vice-chefe da Direção económica da presidência russa. É conselheiro do estado da Federação Russa da 3ª classe, aposentado; membro do Conselho de Peritagem “Economia e ética” do Patriarca da Igreja Ortodoxa Russa (IOR) e membro do Conselho público do Serviço federal de tarifas.

MP da Ucrânia: a pena máxima para Lusvarghi

O terrorista brasileiro Rafael Lusvarghi, detido pelo SBU no aeroporto de “Boryspil” em Kyiv em outubro, ficará em prisão preventiva até 28 de janeiro de 2017, ele já recebeu uma acusação adicional “mais leve” e a carta da sua família e será condenado à pena máxima, prevista no CP da Ucrânia, escreva a página Novynarnia.com

Devido à necessidade de efetuar as diversas peritagens, a Procuradoria de Kyiv e a Direção-geral do SBU pediram a prorrogação do tempo da prisão preventiva do Lusvarghi, no decorrer da investigação pré-julgamento, o pedido prontamente satisfeito pelo tribunal de Pechersk, explica o procurador responsável do caso, Dr. Ihor Vovk.

“Atualmente, a investigação está na fase final. Nós preparamos o acto de acusação, cujo teor está sendo acordado. Logo após os feriados do Ano Novo e do Natal [ortodoxo] a Procuradoria de Kyiv enviará a acusação formal contra Rafael Lusvarhi ao tribunal”, conta o Dr. Vovk

Mais uma acusação
O advogado carioca Raphael Machado sobre Rafael Lusvarghi
Desde o dia 19 de dezembro de 2016, além do ponto 1, do Artigo 258-3 do Código Penal da Ucrânia (“criação do grupo ou de organização terrorista) que “vale” entre 8 aos 15 anos de cadeia, o terrorista brasileiro é acusado ao abrigo do ponto 2, do Artigo 260 do CPU, nomeadamente: a participação nas formações armadas não previstas na lei, por sua vez sentenciada entre 3 à 8 anos.

O procurador também explicou que Lusavrghi não poderá ser libertado sob a fiança, pois segundo o ponto 5 do Artigo 176 do Código do Processo Penal da Ucrânia, a fiança não é aplicada aos investigados sob o artigo 258-3 do CPU.

As peritagens

As diversas peritagens fonoscópicas e fisionómicas, efetuadas pelo Instituto Ucraniano de Técnicas e Peritagens Especiais, comprovam que Rafael Lusvarghi é o cidadão que na qualidade do membro das unidades armadas ilegais na Donbas, figurava nas diversas fotos e vídeos colocados na Internet, admitindo, de livre e espontânea vontade a sua participação na morte dos quatro militares ucranianos.
“Atualmente recolhemos na totalidade a base de evidências, que, na minha opinião, seria mais do que suficiente para uma condenação em tribunal. Nós também colhemos os depoimentos dos participantes da Operação Antiterrorista (OAT). O testemunho destes homens, sem dúvida, será uma prova forte em tribunal. Além disso, temos os resultados das acções de investigações sigilosas”, – diz o procurador Vovk.

Se declara culpado e colabora com a investigação

“Durante a investigação pré-julgamento, o suspeito Rafael Lusvarghi nunca se queixou das ações ilegais de investigação ou maus-tratos, a pressão psicológica e coisas do género. É importante notar que todas as acções de investigação foram realizadas exclusivamente na presença de um advogado e de um intérprete certificado, que foi notificado, por escrito da sua responsabilidade pela possível tradução deliberadamente incorreta”, frisa Dr. VovkO procurador também contou que no início de novembro, Lusavrghi recebeu a 2ª visita dos diplomatas brasileiros que lhe trouxeram uma carta da família e fotos dos filhos.

A pena máxima à vítima do zumbificação
Rafael Lusvarghi se declara nazi "e desde pivete"
A Procuradoria (Ministério Público) da Ucrânia irá pedir a pena máxima ao terrorista brasileiro: “apesar de admitir a sua culpa no cometimento de crimes em que é suspeito, na minha opinião pessoal, Lusvarghi fez isso apenas para evitar a pena máxima. Creio que ele não percebe a gravidade dos crimes especialmente graves cometidos no território da Ucrânia, no seu íntimo não se considera culpado e não sente os remorsos de consciência. Podem imaginar até que ponto este homem foi objeto de “lavagem cerebral” por parte do assim chamado “mundo russo” que abandonou a sua família e filhos no Brasil e viajou às milhares de quilómetros de distância ao outro país para matar os cidadãos de um outro Estado, destruir a terra ucraniana”, – diz o procurador visivelmente emocionado.

“Eu posso dizer com toda a confiança que ele definitivamente merece a pena máxima e deve assumir toda a responsabilidade pelos crimes cometidos. Pelo menos farei o máximo esforço para que isso aconteça”, – sublinha Ihor Vovk.

É de recordar que ex-PM, Rafael Lusvarghi, na altura com 32 anos de idade, veio à Ucrânia no outono de 2014, se filiando no bando terrorista “Viking”. Participou nos combates nos arredores de localidades de Verhulivka, Pervomayske, Horlivka, Starobesheve, Debaltseve, aeroporto de Donetsk. Foi ferido. Após voltar ao Brasil e não conseguir nenhum emprego decente (algo que espera todos os terroristas brasileiros), recebeu uma proposta tentadora da empresa “Omega” que até pagou lhe a passagem, embora só de ida (Sic!) à Ucrânia. Após à chegada em Kyiv, em 6 de outubro de 2016, e após a sua entrada efetiva ao território da Ucrânia, foi detido pelo SBU. Desde aquela data aguarda o julgamento em Kyiv.

Blogueiro: mais uma vez e para todos os simpatizantes do Lusvarghi e da causa terrorista do “mundo russo”, repetimos o texto do Decreto da Presidência da República do Brasil № 5.938, de 19 de outubro de 2006 que promulgou o Tratado de Extradição entre a República Federativa do Brasil e Ucrânia, celebrado em Brasília, em 21 de outubro de 2003, no estabelecimento da definição do terrorismo: “o atentado contra pessoas ou bens cometidos mediante o emprego de bombas, granadas, foguetes, minas, armas de fogo, explosivos ou dispositivos similares”. Podem não gostar, mas é a lei brasileira e como sabemos, o desconhecimento da lei ou a discordância com a lei não exime o cidadão das suas responsabilidades, civis e criminais, ao abrigo da mesma.

terça-feira, dezembro 27, 2016

O calendário “Promka”: as prendas que salvam Ucrânia

A zona industrial de Avdiivka é um dos poucos pontos quentes que quase desde o início da guerra russo-ucraniana está sob controlo das forças ucranianas. Apesar das vitórias e derrotas, ganhos ou erros táticos, a “Promka”, como é conhecida na gíria militar, continua sendo ucraniana.
Diariamente chegam de lá as notícias preocupantes. Realmente é uma zona perigosa. Os edifícios marcados pelos estilhaços, hangares esburacados que parecem as peneiras, jardins com árvores chanfradas. Isto lembra as fotografias das paisagens de já esquecida I G.M. Os tiros constantemente passam por cima das cabeças, todas as noites decorrem os combates reais e bombardeamentos de morteiros. As distâncias até os os redutos dos russo-terroristas são mínimas: por vezes, é possível ouvir as suas vozes ou sentir o cheiro de comida deles. No entanto, em condições difíceis, sem as comodidades básicas e tempo para descansar, os militares ucranianos não só mantêm as suas posições, mas até conseguem empurrar as linhas do inimigo.
O ativista, voluntário, fotógrafo e repórter ucraniano Oles Kropmlias (Lesko Kromplitz) é autor das reportagens dos pontos mais quentes da Operação Antiterrorista (OAT). Ele filmava em Mariupol, Ilovaysk, aeroporto de Donetsk (DAP), Debaltseve e Shyrokyne. As suas fotos foram apresentadas ao público no Esquire. Os seus trabalhos foram expostos nas diversas exposições internacionais. Oles fala espanhol e neste momento estuda o português na sua vertente brasileira. Ele pretende fazer algumas exposições das suas fotos e outros trabalhos no Brasil.
100% dos fundos arrecadados na venda de calendários são canalizados para a compra de equipamentos óticos (termovisores e miras térmicas), além de outros equipamentos especiais às unidades que efetuam as missões de combate na “linha zero.
Tiragem: 1000 un.; preço: 400 UAH (15 USD); formato: A3; às cores.

Como e onde comprar:
* no escritório da “Retaguarda Popular”: cidade de Kyiv, rua João Paulo II (ex-Patrice Lumumba) № 4\6 (das 11h00 às 16h00, dias úteis);
* receber no escritório da Nova Poshta” (só na Ucrânia), preenchendo o formulário;
* contatando Serhiy Minlevskiy, e-mail: s.minlevskiyarrobagmail.com