quarta-feira, março 23, 2016

Ucrânia nunca reconhecerá a sentença contra Nadiya Savchenko


No dia 22 de março de 2016 o tribunal russo condenou à 22 anos de prisão e multa de 30.000 rublos (433 USD) a piloto e deputada ucraniana Nadiya Savchenko, capturada pelos terroristas na Ucrânia, raptada pelas forças russas e levada ilegalmente à Rússia.

A própria Nadiya já disse que não pretende recorrer da sentença e que nos próximos dez dias continuará a greve de fome com uso de água, após este período passará à greve de fome seca. A oficial ucraniana também declarou previamente que: “o uso de qualquer força física contra mim [por exemplo, a alimentação forçada] irei considerar como tortura e [irei] resistir. Tudo indica que Nadiya Savchenko está firme na sua decisão de “regressar à Ucrânia viva ou morta” (Ação global free Savchenko).
O melhor monumento da amizade fraternal russa - ucraniana...
Na sua declaração oficial sobre a decisão do poder russo, o presidente ucraniano Petró Poroshenko foi claro:

No dito processo contra Nadiya Savchenko o mundo não viu nada que se assemelha, sequer remotamente, à um processo judicial. Foi o processo infame que o país agressor organizou contra a Oficial ucraniana, com a letra maiúscula, que, tal como é devido, defendia a sua terra dos ataques inimigos. Ucrânia nunca, mais uma vez enfatizo, nunca! – reconhecerá nem este julgamento, nem essa, assim chamada sentença, que pela sua absurdidade e crueldade demonstra o retorno da justiça russa à época de Stalin - Vyshinsky.

Contra todos os envolvidos na perseguição da Nadiya Savchenko, Oleg Syentsov e outros cidadãos da Ucrânia, patriotas ucranianos refém, vítimas de torturas ilegais em território russo devem ser impostas as sanções pessoais – quer ucranianas, quer internacionais [...]

Durante as reuniões ao mais alto nível [...] levantei repetidamente a questão da libertação da Nadiya e de outros reféns ucranianos e foi apoiado por outros membros destes encontros. O presidente Putin, afirmou na altura que após, assim chamada, decisão judicial devolverá Nadiya Savchenko à Ucrânia.
Agora é o tempo de cumprir essa promessa.

Eu, por sua vez, estou pronto entregar à Rússia dois militares russos detidos no nosso território pela sua participação na agressão armada contra Ucrânia. O julgamento dos seus casos está na fase final. Imediatamente após a sua conclusão, estou pronto, através dos procedimentos adequados, garantir a sua ida à Rússia. Essa abordagem está de acordo com o 6º ponto dos acordos Minsk – a troca de todos por todos. Isto deve ser feito imediatamente.
Nadiya (encarcerada) olha para a irmã Vira
Hoje toda Ucrânia está ao lado da Nadiya, ao lado da sua mãe Maria Ivanivna e a sua irmã Vira. Acredito que os nossos esforços conjuntos serão coroados de sucesso. E a herói da Ucrânia, a deputada [do parlamento] da Ucrânia, oficial das Forças Armadas da Ucrânia voltará até nós, até a casa onde todos nós estamos esperando por ela.


Momentos de leitura da “sentença” contra Nadiya Savchenko
Em algum momento o juiz chama Nadiya de “banderista [nacionalista] típica”, sala começa rir.
Juiz: Se alguém acha isso engraçado, eles podem sair da sala de tribunal.
Savchenko: Eu acho isso engraçado!
Juiz cala-se e continua a leitura da “sentença”.
Num outro momento Nadiya começa à cantar: “ardia o pneu, o pneu ardia, estava lá a nossa companhia... Ohm juízes, meus juízes, vocês me julgavam demoradamente, não vão julgar mais, vocês próprios entrarão nas cadeias”. Assim cantava Nadiya Savchenko durante a leitura da “sentença” no “tribunal” russo. A multidão ucraniana na sala apoiou Nadiya e cantou o hino da Ucrânia, o tribunal anunciou o intervalo...
Tudo indica que ainda muito pneu será queimado!
Glória à Ucrânia!
Glória aos Heróis!

1 comentário:

João José Horta Nobre disse...

Coloquei um link para o seu artigo aqui:

http://historiamaximus.blogspot.pt/2016/03/a-justica-dos-vencedores-ii.html