sexta-feira, março 20, 2015

Charlie Hebdo: tout le monde aime Poutine

A famosa revista satírica francesa “Charlie Hebdo” dedicou as duas páginas centrais da sua edição de 19 de março ao presidente russo Vladimir Putin e ao seu “mundo russo”.

Os cartoons mostram ménage à trois entre Marine Le Pen, Putin e Gérard Depardieu; Putin musculado com a cúpula do Catedral do São Basílio na cabeça; um crucifixo com o emblema do FSB; o gigantesco polvo do Gazprom com os seus diversos tentáculos e por fim, os corpos dos oposicionistas, deitados nos charcos de sangue, cuja morte, acredita-se, têm ligações com as políticas do Kremlin.

A outra Rússia

Na cidade russa do Saratov, no comício patrioteiro dedicado ao primeiro aniversário da ocupação da Crimeia, apareceu um grupo de 12 jovens russos (com idades entre 14 e 23 anos), com as faixas azuis e amarelas da bandeira ucraniana, dizendo “Apoiamos Ucrânia e a paz”.

Logo após o fim do comício, a polícia deteve os sete deles, os que foram mais corajosos e ficaram até o fim, os levou à esquadra mais próxima, onde, após anotar os seus dados pessoais, libertou, sem apresentar quaisquer acusações formais. No entanto, no dia seguinte, a participante mais nova do protesto (na foto em baixo), de apenas 14 anos, foi interrogada na sua escola, sem presença nem dos pais, nem do advogado, pelos dois funcionários do FSB que exigiam que a jovem confesse que ação foi organizada “pela oposição, pela 5ª coluna” e que os jovens foram pagos para participar na ação, escreve Yodnews.ru.
   
Somos moradores normais de Saratov, não somos oposicionistas, não somos contra ou à favor do qualquer governo”, – explicou um dos participantes detidos. – “Viemos para cá, pois consideramos que decorre a propaganda. Todos falam mal da Ucrânia e ao mesmo tempo ninguém quer pensar que a guerra atinge as duas parte. Nós apoiamos Ucrânia e somos pela paz” (FONTE).

A outra Rússia II

Na cidade russa de Tambov, o conhecido ativista local, Andrey Poliakov, se manifestou em piquete singular (permitido por lei russa e sem a necessidade de pedir a autorização), protestando contra a ocupação russa da Crimeia.
"A anexação da Crimeia  maldade e crime"
— A minha posição sobre a anexação da Crimeia é conhecida [...] quero recordar que nem todos os moradores de Tambov apoiam a posição oficial sobre a Crimeia. [...] — Ao meu ver, o facto de arrancarmos uma parte do território do vizinho mais fraco, à quem algures considerávamos “irmão”, é impossível de classificar como uma façanha heróica.

O piquete decorreu sem incidentes, os adoradores do regime se limitaram aos gestos pejorativos e gritinhos atrás das janelas de suas viaturas (FONTE).

A outra Rússia III
"Anexação da Crimeia  vergonha da Rússia"
Um cidadão anónimo russo protesta na cidade de Níjni Novgorod, também no piquete singular, contra a ocupação russa da Crimeia. 

A outra Alemanha

Tudo isso lembra vivamente a estória do alemão August Landmesser, mundialmente conhecido por aparecer em uma fotografia, se recusando à fazer a saudação nazi no lançamento do navio “Horst Wessel”, decorrido na Alemanha nazi em 13 de junho de 1936.  

Sem comentários: