terça-feira, abril 29, 2014

«Transylvania» apresenta Angels


Estes dias a banda romena «Transylvania» apresentou a sua nova composição “Angels”, dedicada à revolução ucraniana, também conhecida como Maydan.

Na canção em inglês se fala dos anjos que choram olhando aos acontecimentos mundiais. As imagens que acompanham a música são exclusivamente do Maydan de Kyiv e a própria composição acaba com as palavras: «… olhar abatido, alma para quando vês os anjos que vão para o Apocalipse».

A primeira versão da música teve 500 mil visualizações em poucos dias, essa é a 2ª versão do mesmo vídeo.

Além disso, o grupo «Transylvania» cancelou todos os seus concertos no espaço pós-soviético. A própria página do grupo exibe apenas o vídeo “Angels” e uma mensagem em apoio à Ucrânia em inglês e romeno: «Activity of ensemble TRANSYLVANIA in suspended under situation in Ukraine. Ukrainians we are with you!»

Sobre o grupo se sabe que é composto por 9-10 elementos, entre os quais 2-3 ucranianos étnicos, romenos, judeus, ciganos e um polaco. «Transylvania» foi criado como uma coletividade étnica, que até pouco tempo se especializava em alegras canções balcânicas...

Ver o vídeo:

http://www.youtube.com/watch?v=s27JvpKspYc

segunda-feira, abril 28, 2014

As fuças do separatismo do leste

A secreta ucraniana SBU estabeleceu a identidade do líder militar dos terroristas separatistas na cidade de Sloviansk, é o cidadão russo Igor Vsevoldovich Girkin (1970), que na Ucrânia usa o nome falso de “Igor Strelkov”.

Igor Girkin é coronel do GRU do estado-geral das FA da Federação Russa, nasceu aos 17.12.1970 e vive em Moscovo, também é conhecido pela sua alcunha de “Strelok” (Atirador), informou a porta-voz do SBU, Maryna Ostapenko.

Maryna Ostapenko revelou que Igor Girkin várias vezes visitou Ucrânia legalmente, última vez foi no dia 26 de fevereiro de 2014, vindo no voo Moscovo – Simferopol, que coincidiu com a ocupação armada do parlamento regional da Crimeia, início da anexação da península pela Rússia.

Entre os diversos crimes cometidos por e ao mando do Igor Girkin é possível citar o rapto dos observadores da OSCE em Sloviansk; ataque contra os oficiais da secreta SBU no dia 13 de abril (que resultou em um morto e três feridos do lado ucraniano); rapto e prisão ilegal dos militares da 25ª brigada dos aerotransportados das FA da Ucrânia (16 de abril); assassinato do deputado do município de Horlivka, Volodymyr Rybak (18 de abril).

SBU informa que Igor Girkin foi enviado à Ucrânia para organizar e conduzir as operações de sabotagem nas províncias de Donetsk e Luhansk. Por sua vez o SBU anunciou a busca e procura pelo coronel Girkin, contra qual foi aberto um caso criminal (organização do assassinato premeditado; condução das ações contra a soberania, integridade territorial da Ucrânia; organização dos distúrbios em massa), informa a agência UNIAN.

Selvajaria separatista e “antifascismo” mediático
"Nacionalista ucraniano..."
No dia 28 de abril, o comício absolutamente pacífico pró-Ucrânia dos cidadãos em Donetsk foi atacado pelos bandidos mascarados, armados com paus, tubos metálicos, tacos de basebol, armas traumáticas e granadas de som. Catorze ativistas ucranianos foram feridos ao ponto de serem assistidos nas unidades sanitárias da cidade, informou o Serviço de Imprensa da Administração Estatal de Donetsk.
"Antifascistas" e polícia apática ou até colaborante com os criminosos
Entre os feridos está o jornalista do semanário “Dzerkalo Tyzhnia”, Yevhen Shybalov, que foi hospitalizado com o ferimento na cabeça, escreve Gazeta.ua
Os "antifascistas" em ação
Mas os mais incríveis foram notícias da imprensa russa, na sua versão os “antifascistas” que gritavam “Rússia, Rússia” e “Fascismo não passará”, foram atacados pelas pessoas mascaradas que gritavam os slogans “nacionalistas” (embora sem informar quais).
Os "antifascistas" na marcha...
Fotos:

Um reformado pró-Ucrânia sangra após o encontro com os “antifascistas” (1ª foto):
Os “antifascistas” com os escudos emprestados pela polícia local (2ª e 4ª foto):
"Antifascismo" em marcha ataca a bandeira da Ucrânia:

domingo, abril 27, 2014

Para Sempre Carcóvia

Nem todos os dias que em Portugal aparecem os livros cuja história se desenrola na Ucrânia. Por isso com muito gosto apresentamos o livro do jovem escritor português João Carlos Máximo, chamado Para Sempre Carcóvia (Chiado editora; 478 páginas; 14,00€; ISBN 9789895106769).

A história do livro consiste numa viagem pela realidade actual e passada, da Ucrânia rural e citadina, tendo como palco principal, a cidade ucraniana de Kharkiv (Carcóvia). São retratados vários episódios do quotidiano da Europa Central e do Leste (no olhar de um português), havendo referências a outras cidades europeias, como Iasi, Berlim, ou Paris, e a acontecimentos da segunda guerra mundial. As personagens principais são Lenine, um veterano comunista de Kharkiv, Kurt, o seu neto, um jovem austríaco que se faz passar por estudante de direito em Kyiv, e Ivan, o motorista, o psiquiatra, o anfitrião dos últimos capítulos de viagem. Além disso, faz parte do enredo uma “Lada” branca, como símbolo do tal “Leste”, conduzida pelo seu proprietário Denys e o cão Nico.

Nas palavras do próprio autor do livro, “a história torna-se a certa altura tumultuosa, enigmática e imprevisível, sempre, e sempre com a paisagem e cultura ucraniana como pano de fundo. A história termina com uma viagem até Kyiv. Aí, Ivan (o motorista), Lenine, Kurt, e o cão Nico, nas várias paragens e passagens, redescobrem uma Ucrânia que permanece intacta desde a queda da União Soviética”.

Sobre o autor

Nasceu em 1988 em Portugal, foi músico e atleta federado. É licenciado em Ciências Biomédicas e é colaborador do Jornal “Correio de Unhais”, sendo o autor de uma crónica mensal, intitulada “O Mundo” (ler mais).

Blogueiro

É impossível não notar no enredo algumas semelhanças com a obra “Everything Is Illuminated” (Uma vida iluminada) do Jonathan Safran Foer: herói estrangeiro, avô gaga, cão e o carro-símbolo da época passada (ora Trabant, ora Lada)... No entanto o autor garante que o livro é o fruto das suas vivências reais na Ucrânia contemporânea e não temos as razões de duvidar dele.

Comprar a obra:

Bônus literário (também recomendamos):

Holodomor: desconhecida tragédia (documental, em português)

Cossacos ucranianos na vida e na arte

No dia 26 de abril de 1798 nasceu Eugène Delacroix, considerado o mais importante representante do romantismo francês. Entre as suas obras nos interessa “Mazepa no cavalo” (1828).

A imagem do Hetman dos cossacos ucranianos, Ivan Mazepa, desde cedo interessava os artistas europeus. Poeta, músico, estadista que dominava oito idiomas, amante notável dos século ХVІІ e ХVІІІ.

Tinha 24 anos quando morreu o seu pai e Ivan começou se dedicar às suas terras e a herdade familiar. Diz a lenda que Mazepa apaixonou-se pela Helena, a esposa do velho fidalgote polaco Falbowski, amor e paixão que foram recíprocas.

Desconfiado, o velho polaco arma a emboscada na qual Mazepa é preso, despido e colocado sobre um cavalo, que o leva aos tiros para o desconhecido. O caso terminou bem, mas obrigou Ivan Mazepa se juntar aos cossacos ucranianos. O resto é a história, escreve Hanna Cherkasska.

Crimeia destrói os monumentos ucranianos

Na cidade de Sebastopol os ocupantes desmantelaram o monumento ao Hetman ucraniano Petro Konashevych-Sahaidachny e destruíram o marco comemorativo dedicado ao 10º aniversário da Marinha de Guerra da Ucrânia.

Os ocupantes prometem que o monumento será enviado ao Kyiv nas vésperas do dia 9 de maio, data importante aos separatistas por causa do seu significado bélico (dia da vitória soviética na II G.M.), informa a TV TSN.ua

Bônus:


O Ministério da Defesa da Ucrânia informa que os ucranianos já contribuíram com 112 milhões de UAH (9,86 milhões de USD) para as necessidades do exército ucraniano, diz a página 5.ua

sábado, abril 26, 2014

Apoiar «Dr. Steelhammer» Klitschko!

Neste sábado, dia 26 de abril, no recinto da «Koenig Pilsener Arena», na cidade alemã de Oberhausen, decorrerá o combate de boxe entre o pugilista ucraniano Wladimir Klitschko (61-3, 51 KO), campeão dos pesos pesados nas versões de WBA Super, IBF, WBO, IBO e da revista “Ring Magazine” e o pretendente australiano Alex «The Lionheart» Leapai (30-2-3, 24, KO).

Ao «Dr. Steelhammer» Klitschko o combate é obrigatório, para defender o seu título na versão da WBO, outros títulos são apenas auxiliares. 

O pretendente é baixinho (tem 15 sm à menos do que Volodymyr) e gordinho, a sua maior mais-valia é a vontade de vencer. Os especialistas avaliam o seu estilo como “fortíssimo, mas desorganizado”...

Na Alemanha o combate será transmitido ao vivo pelo canal RTL; mundialmente poderá ser visto no canal ESPN (17h00, hora EST). Na Ucrânia e via Internet poderá visto pelo canal Inter e na Rússia será boicotado (!) por todos os canais televisivos do país...

UPD: O combate terminou no 5º assalto, quando Volodymyr Klitschko mandou o seu oponente ao nocaute, assim, acabando o sonho de mais um cromo que prometeu "destronar" o pugilista ucraniano. Além disso, nas vésperas, outro ucraniano, Oleksandr Usyk, venceu no 3º assalto e também por nocaute o ganês naturalizado alemão, Ben Nsafoah. 

Ler mais:
http://www.klitschko.com/en/home

A longa sombra do Chornobyl

No mais um aniversário do trágico acidente na estação nuclear ucraniana de Chornobyl, queremos vós contar sobre o projeto do jornalista fotográfico americano Gerd Ludwig. Nos últimos 20 anos ele 9 vezes visitou a zona do Chornobyl. O seu trabalho chamado «Long Shadow of Chernobyl» ele dedicou às numerosas vítimas do acidente nuclear.

No dia 26 de abril de 1986 os operadores do reator № 4 da estação nuclear do Chornobyl cometeram uma série de erros graves durante a execução dos testes no equipamento de  fornecimento de energia elétrica de emergência. Essas ações levaram ao maior acidente nuclear no mundo até o momento.

Pela primeira vez Gerd Ludwig visitou Chornobyl em 1993, como repórter da «National Geographic». Naquele momento ele investigava o tema da poluição industrial do meio ambiente, em resultado escreveu o artigo intitulado «Soviet pollution: a lethal legacy».

Na zona de exclusão do Chornobyl Ludwig filmava os idosos ucranianos que apesar da radiação voltaram às suas casas, para poder morrer na terra natal (foto em cima).

Nas vésperas do 25º aniversário da catástrofe, em 2011, apoiado pela comunidade Kickstarter, Ludwig novamente visitou Chornobyl, como resultado desta visita foram organizadas as exposições em diversos países da Europa e nasceu a aplicação para  IPad The long shadow of Chernobyl, que reúne mais de 150 fotos, vídeos e vistas panorâmicas interativas.
Construção do novo sarcófago em Chornobyl
A sua última visita ao Chornobyl foi em 2013. O fotógrafo dedicou os seus esforços à parte da estação nuclear que será coberta pelo novo sarcófago. Desta vez Ludwig penetrou o mais profundamente à estação, que alguma vez fez até ai. Todos os relógios pararam na hora exata do acidente — 01:23:58.

Já em 2014, com ajuda da comunidade Kickstarter, o fotógrafo reuniu os fundos para publicar o livro fotográfico trilingue «The long shadow of Chernobyl: a photo book», que já pode ser encomendada online (capa do livro na foto em baixo).

Fontes: Fonte 1 (ucraniano), Fonte 2 (inglês)

Recorda-se o ex-pugilista e político ucraniano Vitaliy Klychko:

26 de abril de 1986. Eu ainda não tinha completado 15 anos. Lembro-me de um dia ensolarado de abril, primavera em força. No dia seguinte, o pai, militar, voou algures de emergência. Nós não sabíamos o que aconteceu. Quando ele voltou, disse que houve um grande acidente e de casa não se deveria sair sem a extrema necessidade. Muito perigo. Mas isso era amanhã. No dia 26 de abril fomos para a escola, planeamos as férias de verão. Em Kyiv floriam as castanhas...

Para a minha família o Chornobyl se revelou na dor e na perda muitos anos depois. Não conseguimos salvar o nosso pai das consequências da catástrofe...

Ucrânia: unidos com o Governo contra a invasão russa

Um novo inquérito (PDF) na Ucrânia, divulgado pelo IRI, constatou que, embora haja divisões no país, a oposição à intervenção militar russa permanece elevada, os eleitores em todas as regiões estão ansiosos para a próxima eleição presidencial e, apesar da crise continua, a confiança pública no governo permanece estável.

A ocupação da Crimeia pela Rússia impediu que as respostas dos moradores da península ucraniana fossem incluídas neste inquérito.

Unidos contra a invasão

Apesar da propaganda russa, uma grande maioria dos ucranianos (85%) se manifesta contra a tentativa da invasão da Ucrânia: 97% no Ocidente, 94% no Centro, 69% no Leste e 75% no Sul. Além disso, 68% dos cidadãos ucranianos falantes do russo são contra a intervenção moscovita.

Os 88% dos respondentes não vêem nenhuma necessidade da Rússia proteger os russos étnicos: 98% no Ocidente; 95% no Centro; 73% no Leste e 86% no Sul. Além disso, 73% dos respondentes querem que Ucrânia continua como o país unitário e que tenha um governo centralizado.

Eleições do dia 25 de maio de 2014

Apesar dos 64% dos respondentes acreditarem que Rússia tentará tudo para anular ou destabilizar as eleições do dia 25 de maio, 84% dos inquiridos irão votar: 91% no Ocidente; 92% no Centro; 79% no Leste e 62% no Sul.

O apoio ao industrial Petró Poroshenko cresceu para 29%, Yulia Tymoshenko tem 13% das intenções, Serhiy Tihipko (ex-Partido das Regiões) tem 6%, Mykhailo Dobkin (candidato oficial do Partido das Regiões) – 5%), o populista Oleh Lyashko e comunista Petró Symonenko 4% cada um.

Na eventual segunda volta que opunha Poroshenko e Tymoshenko, 41% votaria Poroshenko; 15% Tymoshenko; 21% contra ambos; 12% não votaria e 11% ainda não se decidiram.

Confiança no Governo em funções

Apesar da difícil situação política, económica, social e militar, a confiança no Presidente Olexander Turchynov subiu de 42% para 46% (desde março); os 52% (47%) aprovam o desempenho do primeiro-ministro Arseniy Yatsenyuk.

Escolha pró-Europa

Os 53% dos inquiridos aprovam o rumo pró-europeu do atual governo ucraniano, 54% votariam hoje favoravelmente a adesão à UE num possível referendo sobre o assunto.

Metodologia do inquérito

Foram abrangidas todas as regiões da Ucrânia (excluindo a Crimeia); nos dias 3-12 de abril de 2014 foram inquiridos 1,200 residentes do país, maiores de 18 e com direito de votar. A margem de erro não excede 2,8%, o rácio de respostas é de 65%.

Fonte:

Bônus

Informação positiva do Dmitri Tymchuk (Resistência Informativa):

1. Polícia de trânsito da Ucrânia baixou o preço da carta de condução de 198 para 108 UAH (17,39 – 9,49 USD).
2. O Ministro da Infra-estrutura, Maksym Rybak informou que no dia 5 de junho Ucrânia assinará o acordo do “Ceu Aberto” com a UE, o que significará a chegada das companhias europeias low-cost e aumento das oportunidades aos transportadores civis ucranianos.
Os novos vistos aos EUA
4. A embaixada dos EUA começou a emissão dos vistos de duração de 10 anos aos cidadãos da Ucrânia (anteriormente o visto mais extensivo era de 5 anos).

5. A secreta ucraniana SBU deteve um dos coordenadores separatistas, alcunha “Topaz” e o colocou no isolamento investigativo (SIZO), dado que anteriormente essa criatura não soube respeitar a colocação da pulseira eletrónica.

sexta-feira, abril 25, 2014

Volodymyr Rybak: mártir da Ucrânia

Na cidade de Horlivka (região de Donetsk) foi sepultado o corpo do deputado municipal Volodymyr Rybak, raptado pelos extremistas armados no dia 17 de abril e mais tarde brutalmente assassinado pelos terroristas.

Após o seu rapto, como informa a secreta ucraniana SBU, o deputado foi levado pelos separatistas a cidade de Sloviansk, onde ele foi brutalmente torturado (cortado e queimado vivo) pelo “prefeito popular” Viacheslav Ponomariov e seus comparsas. De seguida, Volodymyr, ainda vivo, foi afogado no rio Torets. Ao seu lado foi achado o corpo torturado de outro patriota da Ucrânia, já identificado como Yuri Popravko (foto em baixo), o jovem estudante do Instituto Politécnico de Kyiv, faculdade de Sociologia e Direito.
No vídeo em baixo: enterro do Volodymyr Rybak...

O SBU possui os dados que permitem apontar entre os mandantes e executantes da morte do Volodymyr Rybak dois militares russos: o tenente-coronel da GRU das FA da Rússia, Igor Bezler (alcunha “Bes”, Demónio) e Igor “Strelkov” Girkin. 

Recordaremos, que os separatistas sequestraram Rybak após a manifestação pró-ucraniana “Pela Ucrânia Unida” na cidade de Horlivka no último dia 17 de abril; o vídeo que segue mostra o momento em que o deputado ucraniano foi sequestrado:

Durante o seu enterro tocava o Hino da Ucrânia, ao lado do caixão foi colocada a bandeira da Ucrânia que Volodymyr colocou mais que uma vez no edifício do município ocupado, e que originou o seu rapto, torturas e posterior assassinato. As pessoas que discursaram no enterro, chamaram Volodymyr Rybak de herói e combatente da Centena Celestial, quase todos os presentes na cerimónia cantaram o Hino nacional, escreve o 5º canal da TV ucraniana.

A memória do Volodymyr Rybak perdurará. Os seus assassinos serão localizados e castigados. A bandeira da Ucrânia voltará ao Donetsk. Os terroristas não terão a perdão...

A conversa dos terroristas que planeiam assassinar Volodymyr Rybak:
http://www.youtube.com/watch?v=WSmYU3H98bo
Bônus

Existe a informação não confirmada oficialmente do que os separatistas receberam as ordens do seu “perfeito popular”, Viacheslav Ponomariov, para ocupar os jardins-de-infância de Sloviansk. Os grupos de 5-6 terroristas armados aparecem naquelas instituições e não deixam os pais levar os filhos para casa, obrigando os à apoiar, deste modo, a “república de Donetsk”, escrevem Texty.org.ua

quinta-feira, abril 24, 2014

Libertação de Sloviansk em curso

A Sloviansk vive as horas de libertação, a polícia ucraniana, apoiada pelo exército e força aérea entrou na cidade, vinda das três direções diferentes, informam as testemunhas.

As comunicações móveis foram cortadas, os helicópteros ucranianos sobrevoam a cidade, são ouvidos os tiros esporádicos.

Os terroristas exortam os moradores à saírem à rua para servirem de escudos humanos (!), impedindo as forças ucranianas de entrar na cidade. Pelo contrário, as forças ucranianas solicitam que os cidadãos fiquem nas suas casas.

As forças ucranianas tomaram três postos de controlo separatistas, liquidando até 5 extremistas. Existe a informação que os separatistas dispararam contra um grupo de jornalistas, ninguém foi ferido. Os atiradores das forças especiais tomam as posições nos arredores da cidade (na foto em baixo).

Fonte & fotos:    


O blogueiro Dmitry Tymchuk do grupo “Resistência Informativa” informa que os separatistas não oferecem a resistência digna do registo; também nota-se que os invasores russos das unidades especiais deixam a cidade. O militar ucraniano, ferido ligeiramente no pescoço foi evacuado para receber o tratamento médico.

Separatistas raptores negoceiam os reféns

O jornalista russo Pavel Kanygin informa que os separatistas que raptaram o repórter americano Simon Ostrovsky querem o trocar pelos seus comparsas, anteriormente presos pelas autoridades ucranianas.

A deputada pró-separatista do conselho municipal de Sloviansk, Vera Kubrychenko informou que os separatistas são decididos trocar Ostrovsky pelo “governador popular” do Donetsk, Pavel Gubarev e o seu comparsa de Luhansk, Kharitonov. Ambos são previamente detidos no isolamento de investigação (SIZO) de Kyiv, sob acusação de “tomada de assalto das instituições de Estado”.

A deputada disse que os separatistas consideram o jornalista da “Vice News” como “espião dos EUA, que veio ao Sloviansk com uma tarefa de espionagem, por isso foi decidido trata-lo em conformidade”.

O estado do jornalista é bom, as suas contusões passarão logo”, – disse a deputada Kubrichenko.

O “prefeito popular” do Sloviansk, Vyacheslav Ponomariov, disse que o jornalista se encontra no edifício capturado da secreta SBU, onde “prepara o material, trabalha”. A sua “secretária de imprensa”, Stella Khorosheva afirmou: “Nos queremos que ele mude a sua visão dos eventos cá, na república de Donetsk. E o apanhamos como desenformador.”

Quando é perguntada se os raptores pretendem que Ostrovsky prepare uma peça propagandista favorável aos separatistas, a “secretária” responde:

“- Se ele não aceitar o nosso ponto de vista, não o iremos condenar e executar como na China fazem. Somos pessoas educadas normais. Mas se ele não é libertado, então há uma razão”.

Fonte:

Blogueiro

Se amanha os separatistas pedirem o resgate, em dinheiro, armas e droga, digo vodka, não ficarei nada surpreendido. Deve fazer parte da “educação normal” regional, tal como conceito alargado de “liberdade de imprensa”. Só para recordar, nenhum jornalista claramente anti-ucraniano foi sequer tocado em mais de 90 dias da Maydan de Kyiv...

quarta-feira, abril 23, 2014

Ruslana no Brasil: SP e Curitiba

A cantora ucraniana Ruslana Lyzhychko (vencedora do Eurovisão 2004) visita Brasil, onde participa no dia 23 de abril na conferência TED em São Paulo, dedicada às ideias que merecem ser divulgadas.

No workshop da conferência, chamado TEDx Talk, Ruslana irá apresentar a sua tese “Maidan: revolução ou evolução?”, dedicada à força da voz popular e a influência dos movimentos sociais e protestos pacíficos.

Na conferência também participará o ex-futebolista Pelé, o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República Gilberto Carvalho, ativista e defensora dos direitos das mulheres do Egipto Mona Eltahawy, jornalista e ativista social brasileiro Bruno Torturra e estudante brasileira Isadora Faber (14), que tornou-se famoso com o seu blogue Diário de Classe, dedicado aos problemas da escola pública do Brasil.

Ruslana na Maydan em Kyiv
Ruslana também visitará a cidade de Curitiba, onde no dia 24 de abril irá se encontrar com a Diáspora ucraniana e imprensa brasileira e dará uma conferência de imprensa. Após disso, viajará até os EUA, onde em Washington D.C. participará no programa Atlantic Council.

David Duchovny afinal é um ucraniano



https://twitter.com/davidduchovny/status/452219746365476864
O actor norte-americano David Duchovny, famoso pelo seu papel na série “Ficheiros Secretos” descobriu recentemente que é ucraniano, embora durante muito tempo pensou que não era...


Eis o que David Duchovny escreveu no seu twitter:

Eu cresci achando que era russo apenas para descobrir recentemente que eu era ucraniano este tempo todo. Nunca é tarde demais para mudar. [I grew up thinking I was Russian only to find recently that I've been Ukrainian all along. Never too late to change.]

A frase, publicada em 4 de abril de 2014 já teve 2,311 retweets e foi colocada como frase favorita por 1,445 usuários.