sábado, outubro 12, 2013

Insurgentes atrás da cortina de ferro


No longínquo ano de 1966, na Argentina, foi publicado o livroGuerrillas tras la cortina de hierro(Instituto Informativo – Editorial Ucranio), da autoria do jornalista e estudioso de assuntos de inteligência Enrique Martínez Codó (1926-5.01.2013). O livro é dividido em 12 capítulos que ao longo das 419 páginas analisam três principais períodos da luta do Exército Insurgente Ucraniano (UPA): 1941-1944 (contra Alemanha nazi e URSS), 1944-1950 (contra URSS, Polônia, Hungria e Checoslováquia) e 1950-1963 (clandestinidade).

No prólogo da obra, o General Luis García Rollán, professor principal da Escola Superior do Exército espanhol escreveu o seguinte:

A resistência ucraniana constitui uma força potencial à disposição do Mundo Livre, mas necessita a compreensão e o apoio moral e material deste, para levar a cabo com êxito seu cometimento. […] Agradeço ao Martínez Codó, um trabalho que … expõe a História do povo ucraniano, que luta com toda esperança pela sua liberdade”.

Nos princípios de abril de 1959, apareceram nos jornais de Buenos Aires as lacônicas notícias que informavam sobre a detenção na URSS de cinco pessoas acusadas de pertencerem ao UPA, guerrilha ucraniana que atuava na Ucrânia Soviética; bem no interior da prisão de nações que se chamava União Soviética. A notícia surpreendeu quer um argentino médio, quer o jornalista profissional Enrique Martínez Codó, que procurando pelas mais informações chegou ao Instituto Informativo Ucranio de Buenos Aires, onde descobriu a verdade “assombrosa e inédita”: a União Soviética não constituía um bloco monolítico, mas era habitada por diversos povos que ansiavam pela sua libertação nacional.   

Na introdução à sua obra Enrique Codó escreve:

O objetivo desta modesta obra, livre de toda pretensão literária, é servir de documento esclarecedor e testemunhal da luta organizada de um grande povo contra os imperialismos totalitários que o oprimiram. Assim mesmo, tem por missão denunciar os erros trágicos cometidos até o presente, assim como desvirtuar a insistentemente repetida e aceite propaganda soviética que pretende fazer crer no mito do “grande patriotismo soviético”.

Antes de concluir este livro, Enrique M. Codó escreveu um artigo específico sobre UPA, intitulado “La Guerra de Guerrillas en Ucrania” que fui publicado na revista mensal da Escola de Comando do Estado Maior do Exército dos Estados Unidos, “Military Review”, na edição de novembro 1960. Neste artigo o jornalista desmistificava o mito soviético que pretendia provar do que todo o movimento da guerrilha na Ucrânia durante a II G.M. era comandado à partir de Moscovo.
Unidade de UPA no descanso
O artigo foi reproduzido em várias coletâneas e publicações de especialidade, entre outras, Revista Militar del Perú № 660-1960 ou Revue Militaire Géneral № 5-1963.

Sem comentários: