domingo, dezembro 30, 2012

Koliada ucraniana em Nova Iorque


O Grupo teatral ucraniano-americano nova-iorquino, Yara Arts Group, apresenta a peça teatral “Koliadnyky” (Koliada é uma espécie de canções natalinas ucranianas e koliadnyky são os seus protagonistas).

As koliadkas apresentadas vêm da aldeia de Kryvorivnia (região Hutsul dos Cárpatos ucranianos), eles serão acompanhados pela The Lemon Bucket Orkestra, uma banda multicultural proveniente do Canadá.

A feste se chama “Midwinter Night: A Celebration of Traditional Songs, Music and Rituals from the Carpathians” e decorrerá nos dias 27-30 de dezembro no Teatro Experimental La MaMa, em 66 East Fourth Street, East Village, Manhattan – Nova Iorque.

e um ótimo Ano Novo e Natal Ortodoxo para todos os ucranianos e amigos da Ucrânia!

Apreciar no YouTube:

sábado, dezembro 29, 2012

Feliz Ano Novo 2013 e Feliz Natal!


O novo ministro do Negócios Estrangeiros da Ucrânia, Leonid Kozhara, escreveu a Carta de saudações, endereçada à Diáspora ucraniana no estrangeiro.  

Queridos amigos!

De todo o meu coração quero vós dar parabéns pelo Ano Novo e Natal!

Desejo-vos boa saúde, alto astral e todos os tipos de prosperidade no ano que vem.

Diálogo amigável e a cooperação com diáspora são as prioridades constantes do Ministério dos Negócios Estrangeiros da Ucrânia. Tenho a certeza de que no ano novo entre nós reinará a compreensão mútua e apoio na defesa dos interesses nacionais da Ucrânia na arena internacional, atendendo toda a gama de necessidades dos ucranianos no estrangeiro.

Desejo-vos sinceramente uma festa alegre, realização de planos e desejos mais profundos.

Que não se esvazia a fonte de sua inspiração para os novos empreendimentos frutíferas para o benefício do Estado ucraniano e dos ucranianos do mundo inteiro.

Vosso,
Leonid Kozhara

Bónus
Página dedicada aos bordados tradicionais ucranianos

Bónus 2

Apreciem a melodia ucraniana mais conhecida no mundo: Carrol of the Bells (Schedryk)

quinta-feira, dezembro 27, 2012

Os passos da ucrainização fofinha


Por vezes, os ucranianos são acusados de praticarem uma “ucrainização repressiva”, do tipo obrigar aprender ucraniano os cidadãos que viveram no país 20-30-50 anos e não conseguiram dominar o idioma. Terrivelmente duro e injusto.
O artista popular Orest Lutiy e o estúdio dos filmes artesanais e amadores "SAMO-HON" representa o projeto do professor de antropologia Orest Lutiy chamado “Ucrainização Fofinha”, acompanhado pelo agrupamento popular anti-totalitário "Stalin und Hitler Kaput". A canção “Mineira popular” do álbum “Não sou moscovita” é interpretada pelo próprio professor Lutiy.
Ouvir no YouTube:

quarta-feira, dezembro 26, 2012

As “hienas do ano” na Polônia


A Associação dos Jornalistas Polacos anunciou os ganhadores do anti prêmio do ano 2012, denominado “Hienas do Ano”. Os ganhadores foram, entre outros, dois radialistas polacos Michał Figurski e Jakub (Kuba) Wojewódzki.

Os dois apresentadores foram agraciados com a anti premiação pelo diálogo que travaram no programa matinal "Poranny WF" (Manhã WF – Wojewódzki Figurski) da Rádio Eska, em junho passado, durante a realização do Campeonato Europeu de Futebol de 2012.

Conversa que chocou a opinião pública polaca e provocou reações na Ucrânia. Foi este o conteúdo da transmissão:

Wojewódzki: Mas sabes o que eu fiz ontem após o jogo com Ucrânia?
Figurski: O que?
Wojewódzki: eu mandei embora a minha [empregada] ucraniana (risos).
Figurski (risos): Mas que boa ideia (risos). Não me passou isso pela cabeça. Sabes o que? Eu com a raiva não lhe pagarei hoje.
Wojewódzki: Sabes o que, mas eu, vou levar a minha de volta, arranco o seu dinheiro e novamente mando embora (risos).
Figurski: Digo te, se a minha seria um pouco mais bonita, eu ainda a violaria.
Wojewódzki: Êh, eu não sei como é a minha, ela está toda a hora de joelhos (risos).

Protestaram ucranianos, os Ministérios das Relações Exteriores e da Justiça da Polônia e o Conselho de Ética dos Meios de Comunicação. A questão chegou a promotoria de justiça e o programa foi retirado do ar. Wojewódzki e Figurski foram suspensos. Kuba retornou a estação de rádio, Michał, não.

A Associação liderada por Krzysztof Skowronski por isso mesmo lhes concedeu o "Hienas do Ano". Skowronski argumentou durante a divulgação do anti prêmio que, “a premiação foi dada pelo estilo desses programas, que ignoram os princípios da ética jornalística e padrões morais geralmente aplicáveis”.

Fonte:

Ler mais sobre essa estória: AQUI e AQUI.

segunda-feira, dezembro 24, 2012

Prendas étnicas ucranianas


Os lindos bordados ucranianos são bem conhecidos, principalmente quando são as camisas. Mas, o design moderno propõe vários outros produtos que também ostentam o tradicional bordado ponto-cruz. A jornalista Viktoria Knedlyk, da página Zakupy.lviv.ua, pesquisou alguns destes produtos…

O brand ucraniano Anabel Arto está oferecer um fato de banho bordado, muito apreciado nas redes sociais deste verão. Preço de fato de banho: 320 UAH, pāreu (capulana) – 200 UAH. Onde comprar: Moya-Sorochka.com (online) ou na loja Anabel Arto no centro comercial «Magnus» (rua Shpytalna, № 1, cidade de Lviv, Ucrânia).

A casa de design de joias Oberig propõe diversas joias com simbologia ancestral ucraniana. A “bordagem” é feita com as pedras preciosas e semipreciosas. Onde comprar: butique Kolektsiya em Lviv.

O designer ucraniano Yaroslav Galant usa o corian (mistura de polímero acrílico e hidróxido de alumínio) para fabricar vários produtos da sua coleção “Desenhos ucranianos”: mobília (sofás, camas, mesas de jantar, guarda-fatos, banheiras, lavatórios); relógios (sem comercialização ainda) e até matraquilhos (na foto em baixo). O bordado é real, uma das peças mobiliárias tem 164.000 buraquinhos e entrou, por isso, no Livro de Guines da Ucrânia. Ver mais na página do designer: http://yaroslavgalant.com/en

A loja “EcoModa” propõe os sapatos de verão feitos na base da planta de cannabis, ao preço de 550 UAH e “RutaShik” vende o roube masculino com faixas bordadas (preço sob consulta).

O hit desta época são cuecas de algodão “Patriota”, com bordados (vermelhos ou azuis) na parte frontal. O preço de cada unidade é de aproximadamente 65 UAH.

Loja online “Símbolo da Ucrânia” oferece a caneca térmica. A caneca muda de cor e mostra o símbolo da Ucrânia, o tridente, se colocar nela uma bebida quente. Preço: 161,50 UAH. A mesma loja vende a blusa de frio com capuz “Bordado” (masculina). Preço: 364,08 UAH.

O clube de futebol FC Shakhtar preparou uma surpresa agradável às suas fãs, camisa bordada preta, com as cores do clube. Único senão é o seu preço: 1490 UAH (186.25$), código do produto: 000316. Venda online na loja oficial do clube.

E como estamos na época de Natal e do Ano Novo, não esquecem, várias outras prendas com motivos étnicos ucranianos podem ser compradas nas lojas online:

http://www.ridnamoda.com.ua (roupa tradicional e moderna para juventude e a senhoria)
http://vsiknygy.com.ua (livros e afins)
http://ua5.kiev.ua (camisas bordados e acessórios)
http://nashformat.ua (livros, livros Mp3, música, calendários, vídeo, multimédia, roupas, simbologia)

N! B! Preços: 1 USD = 8,2 UAH (a ligeira desvalorização da moeda ucraniana faz com que todos estes produtos se tornam mais acessíveis).

domingo, dezembro 23, 2012

Feliz Natal 2012!


Mais uma vez, a Comunidade Ucraniana de Moçambique deseja Feliz Natal à todos os ucranianos e amigos da Ucrânia de Moçambique e do mundo inteiro!

O que segue é a canção popular ucraniana “Ohm, quem, quem ama o (São) Nicolau”

sábado, dezembro 22, 2012

Feliz Natal e Ano Novo Próspero!

A Associação dos Ucranianos de Portugal e a Comunidade Ucraniana de Moçambique, deseja o Natal Feliz e Ano Novo Próspero à todos os ucranianos e amigos da Ucrânia. Estamos juntos em 2013!

sexta-feira, dezembro 21, 2012

Personalidade do ano: Ucrânia 2012


Pela 11ª vez, a revista ucraniana Korrespondent anunciou a atribuição do título “Personalidade do ano”. Em 2012 o título foi recebido pelo líder do partido VO Svoboda (Liverdade), Oleh Tiahnybok.

Na visão da revista, a sua popularidade acompanha a tendência principal da sociedade ucraniana, o crescente descontentamento com o poder político instituído e a radicalização do sentimento eleitoral. A opinião dos leitores foi idêntica, cerca de 40% deles o colocaram no 1º lugar, participando numa votação online.

O partido da direita parlamentar, VO Svoboda, obteve nas legislativas em 2012, os 10% dos votos populares pelas listas partidárias e elegeu vários deputados seus nos circuitos uninominais. No total, neste momento, Svoboda conta com 37 deputados, prometendo formar no parlamento “o grupo especial da oposição” e não apenas os meros oponentes falantes do poder.

Sentindo-se descriminados e alienados no seu próprio país, 2,129 milhões de pessoas, falantes do russo e do ucraniano, fizeram aquilo que poderiam, mostraram um grande “manguito” ao poder e votaram pela oposição mais radical. Não é certo que todos os seus eleitores leram atentamente o programa eleitoral do partido (acusado pelos oponentes de ser uma mistura de ideias da direita, politicamente, e da esquerda, economicamente). Mas os mesmos eleitores têm a máxima certeza do que no seu grupo parlamentar não haverá os “vendíveis”, iguais aos deputados das restantes forças da oposição, que passam para o lado do poder, através da coerção ou do suborno.

Fonte:   

quinta-feira, dezembro 20, 2012

Carta aberta ao chefe do Parlamento Europeu

Grupo parlamentar do VO Svoboda na parlamento da Ucrânia

Ucranianos da União Europeia: apenas a mão-de-obra barata ou os parceiros iguais de um país vizinho?

Não concordando com a resolução do Parlamento Europeu datada de último dia 13 de dezembro de 2012, nomeadamente sobre o parágrafo 8º, dedicado ao nacionalismo ucraniano e ao partido com assento parlamentar, VO Svoboda, 16 organizações da Diáspora ucraniana de Portugal, Espanha, Grécia e Itália perguntam: será que Europa olha para os ucranianos apenas como para a mão-de-obra barata ou como os parceiros iguais de um país vizinho?  

Texto integral:


Enviar a carta ao chefe do Parlamento Europeu: presidentarrobaeuroparl.europa.eu

Feliz Natal e o dia do São Nicolau!


Na Ucrânia o dia de São Nicolau é celebrado em 19 de dezembro, nas vésperas do Natal do mundo Ocidental. Cada ano que passa o São Nicolau recupera a maior importância, e o Avo Frio vai cedendo o lugar que não é seu…

Desejamos o feliz dia do São Nicolau e Natal em família à todos os nossos leitores e amigos da Ucrânia!

O sexteto vocal de Lviv, “Menestréis” (1997-2003) e o seu trabalho “Festa do São Nicolau”

quarta-feira, dezembro 19, 2012

Oferta de alojamento em Ivano-Frankivsk


Um dos problemas do turismo ucraniano é a falta do alojamento disponível, que pratique os preços razoáveis, oferecendo a qualidade do serviço correspondente. O novo hostel Pilgrim, inaugurado no dia 1 de dezembro na cidade de Ivano-Frankivsk tenta preencher essa lacuna.

Neste momento o hostel oferece: 8 quartos (42 camas), parque com vigilância, acesso grátis à internet Wi-Fi, cozinha comum, serviço de lavandaria, serviço de transferências e guia ou interprete de português.

Os pagamentos podem ser feitos via Cartão de Crédito (VISA e Mastercard), os preços variam entre 100 UAH (12 USD) por cama no quarto de 8 lugares à 350 UAH (40 USD) pelo quarto para dois, com direito de pequeno-almoço, estacionamento da viatura, banheiro privativo e possibilidades de colocar cama extra.

Hostel Pilgrim é localizado à 15 minutos a pé do centro histórico de Ivano-Frankivsk. O hostel possui a entrada conveniente e estacionamento vigiado, tem receção que funciona 24/24 horas. Na receção se pode obter as informações turísticas e mapa de Ivano-Frankivsk, serviço extra, como pensão completa, serviço de lavandaria, visitas guiadas de Ivano-Frankivsk e os Cárpatos, os serviços de pessoal guia-intérprete, transporte e muito mais.

Endereço e contatos:

Rua Naberezhna, № 28-B, Ivano-Frankivsk, 76019
+380 342 511 476

segunda-feira, dezembro 17, 2012

A sombra do KGB

"Não tagarela ao telefone! O tagarela é achado do espião."

Vinte e dois anos após o desmantelamento do KGB, as ligações à organização continuam a desencadear fortes emoções na Lituânia. A publicação dos nomes de ex-colaboradores dos serviços de segurança soviéticos traz a lume políticos e quadros do Estado. Será que ainda representam uma ameaça para o país?

por: Giedrė Bolzanė

O KGB [Comité de Segurança do Estado] – os serviços de informação da União Soviética – foi desmantelado em outubro de 1991. Desde então, sempre que o Centro de Pesquisa sobre Genocídio e Resistência na Lituânia publica um novo documento – listas de quadros ou antigos agentes do KGB, ou testemunhos sobre a atividade dos agentes soviéticos – desencadeia-se uma enorme reação: o sítio de Internet do centro (www.genocid.lt) deixa rapidamente de funcionar, devido ao afluxo de visitantes. Dentro de 50 anos, a história do KGB deixará de suscitar grande interesse, mas, hoje, continua a afetar as vidas e as relações de muitos lituanos, nomeadamente dos ex-agentes da segurança soviética que se tornaram políticos ou altos quadros do Estado.

Mais uma vez, a recente publicação da lista dos coordenadores dos serviços regionais do KGB desencadeou novas reações acaloradas. Consta dela o nome do diretor do Instituto da Polícia Criminal, Algirdas Matonis, entre os de muitas pessoas que ocupam atualmente cargos importantes. Até agora, a sociedade lituana desconhecia esse seu passado.

Segredo de Estado

Desde o final da Segunda Guerra Mundial, mais de 100 mil pessoas trabalharam para o KGB, na Lituânia. Em 1990, cerca de 6000 lituanos eram agentes da organização. A grande maioria escapou à lustração [purga política] e trata esse passado como um segredo. Cerca de 1500 ex-colaboradores optaram por reconhecer a sua participação e ver, assim, a sua relação com a segurança soviética cair na categoria de segredo de Estado, segundo os termos de uma lei promulgada em 1999. Entre os agentes confessos, muitos trabalharam para o KGB bastante antes de 1990.

Não há dados precisos que permitam quantificar o número de ex-funcionários do KGB que hoje trabalham na Função Pública. Segundo Arvydas Anusauskas, que chefia a comissão parlamentar de defesa e segurança nacional, um milhar de quadros lituanos trabalhava ainda para o KGB aquando do seu desmantelamento, em 1991. Alguns reformaram-se. Cerca de 200 entraram para serviços do Estado. Na sequência da aprovação da lei de 1999, que prevê restrições à contratação de ex-funcionários e agentes do KGB pela Função Pública, apenas algumas dezenas de pessoas obtiveram autorização judicial para manter os seus cargos.

Entravados pelo seu passado

Terese Burauskaite, diretora do Centro de Investigação sobre Genocídio e Resistência na Lituânia, analisa há muitos anos os arquivos do KGB e afirma reconhecer entre altos quadros do Estado pessoas que trabalharam para o KGB e não o admitiram. Mas é difícil prová-lo em tribunal. "Nós, investigadores, não dispomos de provas suficientes, pois apreciamos a atividade como um todo. Mas a justiça tem uma abordagem diferente. Nem todos os documentos apresentados têm necessariamente valor legal. São cópias, documentos sem assinatura, rascunhos, cadernos de trabalho. Sabemos que o material é verdadeiro, os nomes das pessoas estão lá, mas isso não basta para ser usado como prova em tribunal", lamenta.

Vários candidatos foram entravados pelo seu passado de agentes do KGB na última eleição legislativa. Foi o caso de um famoso químico que teve que admitir ter colaborado com a segurança soviética: afirmou que essa colaboração durou apenas um ano, mas provou-se que se prolongou por uma década. Os nomes de vários políticos aparecem nas listas de agentes do KGB na reserva, publicadas recentemente pelo Centro de Investigação. Pelo menos sete são membros do Partido Social-Democrata [que venceu as eleições parlamentares de 28 de outubro e vai formar o próximo governo]. O mais famoso é o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros e atual embaixador na Letónia, Antanas Valionis. As restrições [nos termos da lei de 1999] para antigos funcionários na reserva do KGB expiraram em 2009. Isso significa que, hoje, os antigos membros do KGB podem ocupar qualquer cargo público.

Arvydas Anusauskas não considera isso preocupante. "Se, através dessa lei, uma pessoa perdeu um emprego de procurador, quais são as possibilidades de ser contratado passados dez anos? As suas competências e conhecimentos já deixaram de ser válidos", aponta.

Atraídos com promessas ou ameaças

Os documentos revelam que nenhum lituano colaborou de bom grado com o KGB. Como explica Terese Burauskaite, os novos colaboradores eram atraídos quer com promessas quer com ameaças. Daí a maioria dos ex-funcionários do KGB ter acolhido tão bem a oportunidade de se redimir. Os que não se confessaram perderam a paz de espírito para sempre, porque nunca vão ter certeza de que a sua relação com o KGB não será revelada algum dia, defende a diretora do Centro.

Deve-se então temer o espetro do KGB? Questionado sobre os antigos agentes do KGB que podem, eventualmente, continuar a passar informações à Rússia, Arvydas Anusauskas responde em abstrato: não é possível rejeitar essa hipótese, mas também é impossível responder de forma mais concreta. Igualmente impossível é negar que ex-agentes do KGB na Rússia e na Lituânia continuem a estar em contacto, a entreajudar-se em questões profissionais e a partilhar informações. "Como disse Putin, ex-KGB é coisa que não existe. Nesse aspeto, tem razão", resume o deputado conservador.

Fonte:

domingo, dezembro 16, 2012

Lituânia homenageia Yevhen Konovalets


Na cidade de Kaunas (Lituânia), no rua Laisvės № 34, foi inaugurada a placa em memória do estadista ucraniano, coronel Yevhen Konovalets, um dos fundadores da Organização dos Nacionalistas Ucranianos (OUN).

Ler mais sobre a presença do Dr. Konovalets na Lituânia

sábado, dezembro 15, 2012

A descoberta dos Houtsouls


O fotógrafo franco-ucraniano, Youry Bilak, acaba de publicar na França o álbum fotográfico trilingue, “Les Houtsouls”, com a dedicatória especial à celebração dos 600 anos da fundação de aldeia carpatiana de Kosmach.

O álbum custa 44 € e pode ser comprado aqui: http://eshop.yourybilak.com

Mais informação sobre o autor e sobre o evento: http://www.yourybilak.com

O nosso 8º aniversário!

No dia 15 de dezembro de 2012 o nosso blogue completa 8 anos de existência, nestes anos fomos visitados por mais de 345.000 pessoas, tivemos 1700 publicações, fizemos muitos amigos e admiradores e também enfurecemos alguns, digamos menos amigos da Ucrânia e dos ucranianos. Estamos juntos e contamos com o vosso interesse pelo nosso trabalho. 

sexta-feira, dezembro 14, 2012

Morreu último coronel do UPA


No dia 13 de dezembro, aos 92 anos morreu Vasyl Levkovych (6.02.1920 — 13.12.2012), o coronel do Exército Insurgente Ucraniano (UPA), cavalheiro da Cruz de Ouro do Mérito Militar, último dos comandantes do UPA desta patente.

Vasyl Levkovych aderiu ao UPA em fevereiro de 1943, passou do comandante da chota (tenente) até o chefe do circunscrição militar “Buh”, em fevereiro de 1946 recebeu o patente de major do UPA. No final do mesmo ano passou ao coronel, ao título póstumo, considerado pela liderança do UPA com morto em combate (era um de apenas 20 comandantes do UPA com patente do coronel).

No dia 17 de fevereiro de 1946 o seu esconderijo foi atacado pelo NKVD e o comandante aprisionado, detido na cadeia de Lonckoho (Lviv) e na cadeia de MGB em Kyiv.

Em 22 de julho de 1947 foi condenado pelo tribunal militar do Ministério do Interior da província de Kyiv aos 25 anos de trabalhos forçados no GULAG. Cumpriu a sentença na totalidade e saiu do Dubravlag no dia 7 de dezembro de 1971. Já em liberdade, exigia que o judiciário soviético revesse o seu caso, o considerando como prisioneiro da guerra, até 1991 se recusava receber o passaporte soviético, obtendo a cidadania da Ucrânia independente em 1991.

Morreu em Lviv, na madrugada do dia 13 de dezembro de 2012. A missa do corpo ardente terá lugar no sábado, dia 15 de dezembro, na Igreja do São Pedro e São Paulo em Lviv (rua Teatralna, № 11, Catedral dos Jesuítas).

Na cerimónia estará presente a liderança política da cidade e da província de Lviv, a diretoria do museu “Cadeia na Lonckoho”, sua esposa Yaroslava, também resistente e prisioneira do GULAG, filhos e netos. 

quinta-feira, dezembro 13, 2012

Parlamento marcado pela VO Liberdade


O 1º dia do trabalho do novo parlamento ucraniano começou com ação do grupo parlamentar da VO Svoboda (Liberdade) que fisicamente impediu dois deputados da oposição de entrar no plenário.

Os deputados, Olexander Tabalov (pai) e Andriy Tabalov (filho) foram eleitos pela coligação afeta à Yulia Tymoshenko. Donos de uma fortuna considerável, eles foram o alvo fácil da coerção económica por parte do partido do poder, dai a sua recusa de fazer parte do grupo parlamentar pelo qual foram eleitos.

No entanto, o líder da VO Svoboda, Oleh Tiahnybok já avisou que o seu grupo parlamentar irá impedir aos “desistentes” de participar nos trabalhos do parlamento. Na Internet foram publicadas as imagens do texto do juramento formal assinado por ambos, onde estes juravam “perante o Senhor Deus e o povo da Ucrânia cumprir as obrigações listadas”.

No plenário, a maioria dos deputados da VO Liberdade vestia as camisas bordadas ucranianas e os da “Batkivshyna” (Pátria) vestiam camisetas com retrato da Yulia Tymoshenko e inscrição “Liberdade para os prisioneiros políticos”, ver as fotos AQUI.

Os deputados da VO Liberdade colocam os “desistentes” fora do plenário:


Mas VO Svoboda não parou por ai, no mesmo dia à tarde, os deputados do partido cortaram o murro metálico que ilegalmente cercava o parlamento ucraniano, impedindo o contacto entre os deputados do povo e o povo. Como explica o partido, parlamento ucraniano é o órgão supremo do povo ucraniano e o povo tem o direito de o contactar. Ver fotos: AQUI e AQUI

No entanto, um dos deputados do Partido das Regiões, Ministro da Defesa em funções, Dmitri Salamatin, também mostrou o seu caráter. Dentro do plenário, na entrada da bancada governamental, ele se recusou a mostrar o crachá do deputado à uma oficial de segurança, rejeitando o seu pedido legítimo em seguintes termos:

Mas que fod@! Que documentos pro car@lho”, e foi embora, informa a página ucraniana LB.ua

Parlamento ucraniano também escolheu a mesa do presídio temporária com cinco membros, um por cada força partidária que elegeu os deputados nestas legislativas. Embora o representante comunista não poderia legalmente estar lá presente, pois o artigo 38º do regulamento diz claramente: “só pode formar o seu grupo parlamentar o partido que terá elegido pelo menos um deputado pelo círculo majoritário” e o PC ucraniano não conseguiu eleger nenhum.

quarta-feira, dezembro 12, 2012

Cosmopolitas sem raízes

A luta contra os “cosmopolitas sem raízes” e “servilismo perante Ocidente” começou na URSS em 1936, mas se transformou em uma campanha ideológica entre 1948 – 1956, pretendendo garantir a pureza do “novo homem soviético” contra o “putrefaciente influência ocidental”.

Hoje, mais de 20 anos após o desaparecimento da União Soviética é particularmente interessante verificar onde é que vive a prole da liderança soviética, a mesma que tão incansavelmente lutava contra “Ocidente putrefaciente”.

A neta do Estaline, Chris (Olga) Evans, filha da Svetlana Alliluyeva e do arquiteto americano William Wesley Peters, tem 40 anos, vive em Portland nos EUA e é dona de uma loja vintage.
O cidadão americano Sergei Khrushchev, filho do Nikita Khrushchev, visita Moscovo regularmente, ele é professor em várias universidades americanas. A bisneta do Khrushchev, Nina L. Khruscheva é professora na faculdade das relações internacionais da Universidade New School e no Instituto World Policy, ambos em Nova Iorque.

A neta do Yuri Andropov, chefe do KGB da URSS e Secretário-geral do PCUS, Tatiana I. Andropova vive em Miami (EUA), onde ela ensinava a coreografia. Com ela vivia o seu irmão, Konstantin I. Andropov.

O bisneto do Leonid Brezhnev, Dmitri A. Brezhnev estuda a politologia na Universidade de Oxford. Desde 1990 vive nos EUA a sobrinha do Brezhnev, Lyubov Brezhneva (filha ilegítima do seu irmão Yakov Brezhnev), ela é autora do livro autobiográfico “The World I Left Behind”, o livro pode ser encomendado por 28 dólares (incluindo as portes do envio na sua página WEB: brezhnev.com.

A filha do principal ideólogo do comunismo tardio soviético, asceta Mikhail Suslov, Maya M. Sumarokova (historiadora profissional especializada em Balcãs), desde 1990 vive com marido e dois filhos na Áustria.

A filha do Mikhail Gorbachev, Irina Virganskaia, reside em São-Francisco, onde fica o escritório principal da Fundação Gorbachev. Desde 1995 ela é vice-presidente daquela instituição.

Como podemos ver, nenhum dos filhos, netos ou bisnetos dos comunistas-mor vive na Correia do Norte, Cuba ou Venezuela…

Tradução em língua portuguesa @Ucrânia em África

terça-feira, dezembro 11, 2012

O procurador-pária escreve ao Obama


O 1º vice-procurador-geral da Ucrânia, Renat Kuzmin, foi recentemente incluído pelo Senado americano na lista negra dos responsáveis ucranianos culpados da perseguição política da ex-primeira-ministra Yulia Tymoshenko.

Em resposta, Kuzmin escreveu a carta aberta ao Congresso dos EUA, propondo discursar perante os congressistas e imprensa americana. Em resultado, no dia 19 de outubro, Kuzmin viu anulado o seu visto múltiplo americano. Em vez de ficar quieto e calado, homem decidiu escreveu ao Obama. Não se sabe o que ele perderá desta vez…

Na carta, Kuzmin, faz múltiplas afirmações controversas que dificilmente lhe granjearão o apreço ou apoio do Obama.

Kuzmin denuncia um “plano elaborado pelo Departamento da Justiça dos EUA, iniciado por alguns políticos americanos e ucranianos” para “desacreditar o grupo de investigação da PGR da Ucrânia” e pessoalmente Renat Kuzmin. Na sua visão, os alegados iniciadores do plano alegadamente pretendiam prender Kuzmin nos EUA pela alegada coerção que este alegadamente pretendia exercer sobre uma alegada testemunha indireta de um assassinado datado de 1996 e outros alegados crimes em que é acusada Yulia Tymoshenko.

De acordo com Kuzmin, o grupo dos conspiradores é composto pelos lobistas Joe Williamson e Ralph Caccia da “Wiley Rein, LLP”, pelo congressista reformado Jim Slattery, que alegadamente faz lobby pró-Tymoshenko “usando as relações pessoais com a chefe do Departamento do Estado, Sra. Hillary Clinton” e pelo advogado Steve Bunnell, ex-funcionário do Procurador-geral dos EUA.

Kuzmin queixa-se ao Obama dos “funcionários do Departamento de Estado e do Departamento de Justiça dos EUA que não reconhecem os regulamentos legais internacionais e … mostram o exemplo do abuso da sua posição. … iludem o presidente dos EUA, o Congresso e a nação americana”.

No fim da missiva, Kuzmin pede Obama “para usar os poderes de seu cargo para incentivar o Senado dos EUA a reconsiderar a sua recentemente aprovada resolução № 466”, ou seja, exatamente aquela que colocou Kuzmin e seus comparsas na lista negra dos culpados em abuso da posição privilegiada no sistema judicial ucraniano.

Texto integral da carta:

O mesmo Renat Kuzmin, a tocar no piano uma das canções criminosas mais famosas do espaço da ex-URSS, a preferida do mundo criminal soviético e pós-soviético, chamada “Murka”...

   

segunda-feira, dezembro 10, 2012

Apimentado encontro gay em Kyiv


No passado dia 8 de dezembro, em Kyiv se encontraram os ativistas pró-gay, anti-gay e a polícia de choque. No final, os intervenientes ficaram satisfeitos e o público desinformado.

A edição portuguesa da Euronews dizia literalmente o seguinte: “milhares de ucranianos saíram à rua para manifestaram o seu desacordo ao projeto lei que criminaliza os atos homossexuais com multas e prisão até cinco anos”.

Nas imagens da própria Euronews podemos ver que o número dos manifestantes pró-gay dificilmente chegava a 30 pessoas. Portanto a informação sobre “milhares” é pura inverdade da Euronews. Segundo, o projeto-lei aprovado pelo parlamento ucraniano em primeira leitura no dia 2 de outubro proíbe a “propaganda da homossexualidade” e não a homossexualidade em si.

Também devemos dizer que os “milhares” de ativistas pró-gays foram atacados por 2 (dois) ativistas anti-gay, uma menina e um rapaz, que usaram o gás pimenta para apimentar a sua relação com os gays. Logo depois em ação entrou a polícia de choque que separou uns de outros. Entretanto, mais uns ativistas anti-gay se meteram na cena, arrancando e destruindo os cartazes que pediam o parlamento ucraniano não aprovar a nova lei.   

Fonte:

Contra os preservativos do prazer



Uma rápida degradação da vida política e social georgiana após a vitória do bilionário Bidzina Ivanishvili ganha os contornos caricatos, quando os parlamentares discutem os tipos de preservativos que podem ou não, ser vendidos livremente…

O Comité Jurídico do novo parlamento georgiano discute como questão primordial, os tipos de preservativos e os locais onde estes podem ser vendidos e a que tipo do público. Brevemente, o Parlamento georgiano planeia limitar a venda dos “objetos do caráter sexual” (Geórgia não possui nenhum sex-shop oficial). Os menores de 18 anos não terão o direito de comprar nenhum objeto daqueles. Ai os deputados do povo se lembraram que existem os preservativos “normais”, que servem apenas para proteger da SIDA e DTS e existem os que proporcionam o prazer. E claro, estes últimos devem ser banidos, pelo menos na visão dos novos servidores do povo.  

No país onde os números da epidemia do Hepatite C e HIV-SIDA começam a preocupar, essa decisão não parece ser muito sensata.