sábado, abril 21, 2012

Myron Diduryk: "cossaco louco" do pelotão

Capitão e mais tarde Major do exército americano, ucraniano Myron Diduryk, foi um dos heróis reais, imortalizados no famoso filme do Mel GibsonFomos Soldados”.

Ele estava ansioso e agressivo, mas totalmente profissional, ao longo dos próximos três dias ele sairia como o melhor comandante de campo da batalha que eu já tinha visto”.

Assim o tenente-general Harold G. Moore estava descrevendo o capitão Myron Diduryk, herói da Batalha de La Drang (1965), uma das primeiras batalhas militares significativas entre as tropas americanas e o exército norte-vietnamita. A citação é do livro de memórias o general Moore, “We Were Soldiers Once ... and Young”, em co-autoria de Joseph L. Galloway, publicado pela primeira vez em 1992.

O filme “Fomos Soldados”, estrelado por Mel Gibson, no papel do tenente-coronel Moore, é baseado no livro. Tanto o livro, como o filme contam a história dos 457 homens do 1° Batalhão do Coronel Moore do 7º Regimento de Cavalaria, deixados no vale La Drang em 14 de novembro de 1965, e a batalha sangrenta que explodiu quando foram imediatamente cercados por cerca de 2.000 soldados vietnamitas.

O assalto durou quatro dias em duas grandes áreas do vale, conhecidas como zona X-Ray e zona Albany, nas montanhas remotas do Vietname, perto da fronteira cambojana. No fim da batalha, os vietnamitas tinham perdido cerca de 2.000 homens, os Estados Unidos 234. Os nomes dos americanos tombados naquela batalha podem ser vistos no painel Memorial da Guerra do Vietname na cidade de Washington.

O comandante da Companhia Bravo, do 2º Batalhão, capitão Diduryk, chamado de “Cossaco Louco” no livro, e o seu vice, o tenente Rick Rescola, foram inicialmente enviados como reforços às tropas americanos cercados pelo fogo inimigo. “Ucraniano Diduryk e o inglês Rescola”, escrevem os autores, “estavam determinados, ao longo dos próximos 72 horas se tornar as lendas do campo de batalha do 7º Regimento de Cavalaria. Tanto pelo seu estilo da liderança, como pela coragem debaixo de fogo”.

O capitão Diduryk recebeu uma considerável atenção no livro. Por exemplo, suspeitando que os vietnamitas quisessem se aproximar à sua posição sob o manto da escuridão, ele ordenou os disparos de foguetes de iluminação. “Os homens do Diduryk abriram o fogo de espingardas e metralhadoras contra os atacantes vietnamitas. Enquanto Diduryk e Lund [o seu observador de artilharia] dirigiam o fogo de artilharia em toda a zona de ataque. O ataque dos vietnamitas se quebrou e eles saíram correndo”.

O artigo biográfico sobre Myron Diduryk escrito pela Khristina Lew foi publicado no semanário ucraniano, The Ukrainian Weekly em 3 de Fevereiro de 1991 (pp. 5 e 12). Nascido em Muzhyliv, oeste da Ucrânia, em 1938, ele emigrou para os Estados Unidos com os seus pais, Andrij e Isabela Neswiacheny em 1950. Myron era membro da organização dos escuteiros ucranianos Plast, fraternidade “Siromantsi”. Um líder amado nos círculos da Plast, Myron ajudou a organizar filiais em todo o norte de Nova Jersey. Ele também trabalhou a tempo parcial nas cooperativas ucranianas de “Svoboda” e “Soyuzivka”.

Myron Diduryk se formou em 1960, com uma licenciatura em física. Foi um dos poucos cadetes ROTC da sua classe a chegar ao patente do segundo tenente do Exército dos EUA. Depois de servir na Europa, ele se transferiu para o Vietname.

Depois da Batalha de la Drang, ele foi promovido a major, voltou ao teatro das operações para fazer a sua segunda comissão no Vietname. “Colocado como o oficial de operações do 2 º Batalhão, 12º Regimento de Cavalaria, Diduryk foi morto em combate em 24 de abril de 1970, atingido no estomago pelo fogo do atirador vietnamita. Assim morreu um dos melhores oficiais que lutaram em la Drang”. Myron Diduryk foi sepultado no cemitério de Fort Benning, a sua viúva, Delores, vive em Fort Lauderdale na Flórida.

Todo o mundo que conhecia Myron, o amava. Pessoas que trabalharam com ele em Plast ou em “Soyuzivka” para sempre recordam a sua amizade, natureza calma e dedicação.

Capitão William Shucart, era um médico que conheceu o Capitão Diduryk no Vietname. Coronel Moore descreve impressões do oficial da seguinte forma: “Uma das pessoas que realmente gostei foi Myron Diduryk. Ele foi maravilhoso. Ele amava a estratégia militar. Ele gostava de falar sobre o que faz os homens em combate fazerem o que eles fazem. Ele gostava de falar como um durão das ruas de Nova Jersey, mas ele era uma pessoa muito atenciosa, muito inteligente. Eu estava orgulhoso das pessoas que eu conhecia no corpo de oficiais, muito impressionado com eles”. É óbvio que Myron Diduryk teve um impacto em muitas pessoas. Há um total de 28 referências sobre ele no livro de memórias do Moore / Galloway.

No prólogo, os autores descrevem o seu livro como “uma história de amor. Nós éramos os filhos da década de 1950 e fomos enviados para onde fomos, porque nós amamos o nosso país. Fomos convocados, a maioria de nós, mas nós éramos orgulhosos da oportunidade de servir o nosso país assim, assim como os nossos pais tinham servido na Segunda Guerra Mundial e os nossos irmãos mais velhos na Coreia”.

Saber mais sobre Capitão Myron Diduryk:

Ler o artigo completo sobre Myron Diduryk no jornal “The Ukrainian Weekly”: http://www.ukrweekly.com/archive/pdf3/1991/The_Ukrainian_Weekly_1991-05.pdf

Sem comentários: