quinta-feira, dezembro 22, 2011

Fábrica soviética da morte


No início das purgas soviéticas dos anos 1930, os condenados ao fuzilamento em Moscovo eram sepultados em pequenas covas individuais. Estas sepulturas estão espalhadas em todo o polígono de Butovo. Mas desde o Agosto de 1937 os assassinatos em Butovo tomaram as proporções tão grandes que a “tecnologia” do extermínio tinha que mudar.
Com ajuda de uma retroescavadora, foram cavados vários poços de grande porte, com o cumprimento de cerca de 500 metros, a largura de 3 metros e uma profundidade de 3 m (as valas podem ser vistas nas fotografias aéreas que foram feitas pelo organismo de gestão de solos ao pedido do NKVD).
No polígono de Butovo, a execução dos condenados à morte por famosas “tróicas” estava ao cargo do Isai Davidovich Berg que desde 1934 era o Chefe da unidade administrativa e económica do departamento do NKVD da província de Moscovo. Nascido em Moscovo no seio de uma família judia, em 1920 se alistou no Exército Vermelho, em 1925 já comandava um pelotão. É membro do PCUS desde 1930.
Dado que NKVD tinha que exterminar muita gente em um curto período de tempo, Berg apresentou a sua invenção tecnológica: as pessoas nus, amordaçadas, com mãos e pés amarrados, eram colocados em camiões fechados, 20-30, por vezes até 50 pessoas, até o ponto de não conseguirem se mexer. Dentro do camião, que se parecia com o de transporte do pão, colocava-se o tubo de escape, que sufocava as pessoas até a morte com os produtos de combustão. Se a vítima não morria asfixiada, ficava em um estado semiconsciente, facilitando o seu extermínio. Pela primeira vez foi usado pelo NKVD em 1936.
O próprio Berg foi preso em Agosto de 1938 acusado de pertencer à organização terrorista dentro do NKVD e fuzilado em Março de 1939. Foi reabilitado ao título póstumo em Junho de 1962.
Ver no YouTube:

Sem comentários: